**

**

Outros Blogs do meu grupo:

*

*

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FELIZ ANO NOVO 2013




Vivo em esperança...

Vivo em esperança cada dia
não querendo apenas existir!
Busco forças neste caminhar
para superar as pedras
que encontro
e que noutros tempos as originei!
Não as deixo ali
para outro as apanhar.
Serei eu a enfrentrar
as dificuldades da estrada da Vida!
Vivo em esperança
até ao final deste caminho...

José Manuel Brazão

* Eu desejo a todos os Visitantes e mundo da Poesia um ano 2013 esperançoso!
Beijos e Abraços

José Manuel Brazão



domingo, 30 de dezembro de 2012

Tua Alma pede Vida!


Amanheci diferente
em que o Sol era radioso
e logo pensei em ti;
tua alma cruzou-se com a minha,
pressenti e senti mesmo,
ela a pedir Vida!

José Manuel Brazão

sábado, 29 de dezembro de 2012

Uma flor chamada saudade


Nem sempre
és a flor do meu poema
a flor Mulher!

Existe outra
que convive em meus dias
e é tua amiga!
A flor chamada saudade,
que no alvorecer
acorda com lágrimas
e vem o Sol
limpando cada pétala.

Uma flor mista de sentimentos,
que cuido com carinho,
para que não morra,
nem a saudade!

José Manuel Brazão

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Repousarei em mim!


Na minha Vida
tudo te dei, pensando
que te sentisses feliz
ou com momentos felizes!

Senti no silêncio das palavras,
que a chama viva do Amor
se apagava lentamente
com a agonia do tempo!

Com palavras
rompidas no silêncio
dizias que morava em teu coração!

Bati à porta dele
e ninguém respondeu:
Ontem, hoje;
e amanhã
repousarei apenas em mim...
guiado para águas tranquilas
e nada me faltará !

José Manuel Brazão

Pelo amor nos rendemos!



Navego nas tuas águas;
que deixam em meu corpo
essa maresia de amor
visto-me de tua pele,
sirvo-me de teus segredos,
provo da boca doces beijos
entre desejos;
sentires e prazeres,
abrigando o meu amor
em teu corpo,
com tuas luas e mistérios;
rendido por inteiro a mim!

José Manuel Brazão

Um caminho que estreita...


Um caminho, o meu caminho,
onde páro, olhando para trás,
tentando recordar esta caminhada!

No princípio um caminho cheio de Sol,
dava-me forças para tudo superar;
caía e levantava!

Continuava sempre com esperança,
encontrava mais pedras
e contornava,
caminhando, caminhando!

Começei com dificuldades
em curvas imprevistas,
perdi um pouco a confiança,
mas não perdi a Fé!

Avistei o caminho a ficar “estreito”,
mas sempre com ajuda de outros
- amor incondicional –
tento, vou buscar forças
até alcançar o final do caminho,
ponto de encontro dos meus desejos!

José Manuel Brazão

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Voltarei...




Sinto na minha alma
o eco das tuas palavras,
palavras vividas
sofridas por uma vida
sem sentido,
sem amor,
mas com esperança!

Vida por viver,
mas sonhada!

Através dos sonhos
de cada dia,
constróis os castelos
do carinho, do amor
que deste,
mas não recebeste!


Sinto ainda
o eco das tuas palavras
envoltas em lágrimas
que lavarão o passado,
para olhares o futuro,
com ansiedade...

Meu amor
não aguento mais
Estar longe de ti;
Voltarei sim
com o direito
à nossa felicidade!

José Manuel Brazão

Este amor nas costas da Lua



Este amor
vivido
nas costas da Lua,
muito sofrido
e num silêncio
que só nós sabemos
e compreendemos!

Ninguém
nos roubará
a cumplicidade,
a paixão vivida
de um amor sem igual!

Dias angustiantes
pela saudade sentida,
noites delirantes
pelo reencontro
destes amantes,
que a Vida
os encaminhou
para este grande amor,
perturbante
mas consolador…

José Manuel Brazão

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O silêncio da tua alma...



Vives como queres,
com esse silêncio,
que no tempo
guardas o amor
que não esqueces,
desejas e está dentro de ti!
Com esse silêncio,
continuas sonhando,
sentindo o corpo amado,
o seu cheiro, o seu respirar!

Não te importas de viver assim,
resignada pelo que a Vida te deu,
amares quem te ama,
recordares o que se viveu,
apesar da distância,
mas próximo com as almas!

José Manuel Brazão

A Poesia já vivia em mim!


Com a poesia,
 sinto alegria;
repousam os dilemas,
nascem os poemas.

Com a poesia,
param as angústias,
as tristezas,
as desilusões.

Com a poesia
nascem emoções,
mensagens de paz,
harmonia e amor.

Com a poesia
nasce a esperança
de viver
e de conhecer amigos,
amigos de verdade.

Com a poesia,
nasce a libertação,
a conversão
aos valores humanos.

Com a poesia
nasce um estilo,
uma forma de vida,
uma visão do mundo,
que leva o poeta
à descoberta:
da verdade,
da realidade,
sem palavra encoberta.

Com a poesia,
nasce a minha poesia!
e...
... Por tua causa a minha vida
nunca mais foi a mesma;
tudo se alterou
na rotina, no descanso,
mas em mim - o Homem -
houve a conquista
de valores adormecidos
e hoje fortalecidos,
que fazem do poeta
um homem com outra visão,
com horizontes sem limites
no espaço e no tempo,
numa entrega desmedida
àqueles que me seguem,
acarinham e valorizam,
tornando o meu sentir e acreditar
em verdadeira sintonia,
que recuando no tempo,
sonhava, pretendia,
mas não sabia se conquistaria!

Hoje por tua causa
estou reflectindo em palavras
e apenas por tua causa,
escrevendo poesia da paz,
da harmonia e do amor...
... a minha poesia!

José Manuel Brazão

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012



Esta noite de Natal de 2012

O silêncio me rodeia,
convive comigo
há muito tempo
como amigo
a que já me habituei
e resignei!

Vou à janela
virada para o Rio Tejo,
vejo as águas serenas,
chuva a cair,
que deixa um cheiro,
invulgar, confortante
que me serena,
me relaxa
e me leva a pensamentos
distantes e recentes.

Vejo imagens
de tempos que não se apagam
e de um presente doloroso,
mas que me deixa uma luz,
que mostra a esperança
a sorrir com a Lua,
iluminando
meu corpo e alma,
sentindo eu as forças
para amanhã
continuar a minha caminhada,
sem hesitar, sem parar!

José Manuel Brazão
24.DEZ.2012



domingo, 23 de dezembro de 2012

Saudades com lágrimas



Meus dias são sempre diferentes,
uns mais intensos
com emoções fortes,
saudades imensas
e hoje é um desses dias!

Logo pela manhã
meu coração chorou,
lembrando filhos e netos!

Não me chega as suas vozes,
mas preciso de olhos nos olhos;
sentir o seu respirar,
ver os seus olhos de amar,
enfim, que me vejam vivo!

José Manuel Brazão



Cá dentro de mim


Cá dentro de mim
há uma saudade no coração,
sai de mim
para estas palavras,
que criam uma paz
que desejo,
procuro e agarro
e jamais a perderei!

E neste silêncio
para além dos meus olhos,
existem os teus            
que me procuram
neste momento dificil
de encontros e desencontros
que não desejamos,
num amor vivido,
mal entendido,
mas um dia
seremos felizes
no momento certo;
de ti sairás
e em mim ficarás!

José Manuel Brazão

sábado, 22 de dezembro de 2012

Unidos pelo mesmo querer


Sorrimos felizes
desde o dia
que cruzámos nossas Vidas!

Nesses instantes
pulsaram nossos corações
e vivemos cada momento
neste dia após dia
com a vontade
de usar só a verdade,
para sentirmos esta união
pelo mesmo querer!

A ti me entrego
diante da Vida, a nossa Vida!

José Manuel Brazão

És um homem feito poema!

Poesia,
fascínio e magia!

Como te adoro
e serás eterna,
no meu escrever
e no meu viver!

Poemas
que afastaram
os meus dilemas,
renovaram
a minha alma,
confirmaram
o meu amor
e já não passo
sem ti:
Poesia!

Neste amor
pelo mundo da Poesia,
sinto e dizem-me,
és um homem feito poema!

José Manuel Brazão

* Dedicado aos Poetas e em especial à minha Amiga e Poeta Maria Valadas
que me chamou “És um homem feito poema”.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Perdoa-me!


Perdoa
este amor assim!

Um amor
arrebatador,
sem limites,
mas querendo
teu corpo e tua alma!

Um amor
que sinto
sem saber explicar,
mas apenas viver
com ele e para ti!

Um amor
que morrerá comigo,
porque só eu o entendo,
só eu o sinto
e quero sofrer assim…

José Manuel Brazão

Eu sou o outro de mim!


Vivo duas vidas em mim
em fusão com minha alma,
olhando o quero ver
e aceitando a realidade!

O outro de mim
teve um grande amor
e eu o Poeta da Vida
vejo-te feliz
num futuro raiando Sol;
feliz por ti
meus versos sorriem
e teus olhos humedecem
com lágrimas de gratidão
por aquilo que represento em ti!

José Manuel Brazão

O Poeta e as rosas


Lindo pomar de rosas
Que te dedicas a cuidar
Cuidas da terra com todo carinho
Com todo amor que em teu peito há.
Ah se estas mesmas rosas pudessem falar...
Diriam que por vezes choras
Ao contemplar o sol se ausentar.
Segredariam entre si as lágrimas que derramas
Revelariam a todos o nome da mulher que amas…
Mas as rosas não falam e tampouco sabem poetar
As rosas somente exalam
Suas tristezas
Suas alegrias.
Exalam sim
Por todo o lugar
O imenso e solitário amor
Que tentas ocultar.
Não seriam estas mesmas rosas
Oh poeta, a sua mais linda e singela inspiração?
Rosas geradas
Cultivadas
Com a mais bela poesia que injectas
No pomar do teu coração.

Nanda Costa


[....]

No jardim
do meu coração
vejo as rosas
que exalam amor!
Cuido delas
como se fossem crianças,
donzelas ou mulheres!
Logo pela manhã
sorriem
para cuidar delas:
ficarão viçosas,
generosas,
sedutoras
e carinhosas,
para o poeta
mais uma vez
se inspirar
na paixão,
no amor,
no romance
e no sonho!
Mais tarde
e na vida,
terei alegria
por praticarem
o que lhes ensinei
no jardim
do meu coração
e expresso
através da Poesia!

José Manuel Brazão

A Vida, a Poesia e o Amor



Nós, 
que tantos poemas
escrevemos, contando
uma linda história,
de paixão e amor,
de encantamento,
por aquilo
que nossos corações
brotavam de emoções,
sentimentos fortes,
arrebatadores
que nós
de amor carecíamos,
como o Sol de cada dia!

Momentos inesquecíveis
dessas emoções,
que reflectimos em Poesia,
que agitaram corações
em cada um
que nos leram,
nos acarinharam
e deixaram
em nós
Poetas de e com Amor,
um vazio,
um silêncio,
uma saudade,
mas estas Almas
o tempo não apagará!

José Manuel Brazão

* Um momento dedicado às Poetas que comigo escreveram Poesia: Graciele Gessner, Luciana Silveira, Nanda Costa, Regina Ragazzi , Sandra Freitas e Sueli Rodrigues.

A minha gratidão à Poeta Vanda Paz sempre ao meu lado na minha carreira poética!

Beijo grande do ZÉ



Espero-te


Todos os dias,
espero-te.

Passam as horas,
parecem-me longas!
Chegas, dizes-me “olá”,
dás-me um beijo
de amor e de saudade.

Sentas-te no chão
e poisas a cabeça
no meu peito;
pedes-me mimos
e eu dou!

Sou homem de paixão
que olha para ti
e emociono-me
pela beleza que mimo;
acaricio o teu corpo,
ficas serena,
olhas para mim
e vejo os teus olhos
brilhantes, húmidos
e com lágrimas.

Que tens?
Sorris e dizes-me:
São lágrimas de amor
e de alegria!

Também preciso de ti
e espero-te sempre…

José Manuel Brazão


quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Olhai Mundo (Natal dos pobres)


Vem aí
mais um Natal!

Data cristã,
mas pouco tem de irmã!

Olhai Mundo
para a abastança,
a loucura, o frenesim
de quem
não precisa de poupança!

Olhai Mundo
para o Natal dos Pobres,
sem um cobertor,
sem pão
e apenas um coração,
com dignidade,
esperando compaixão
e um alimento para a alma,
que os ajude a entender,
os contrastes da Vida!

Olhai Mundo,
para o Natal dos Pobres:
não toleremos,
estes
sem um cobertor
e outros
com um “vison”!

Olhai Mundo,
para o Natal dos Pobres:

O meu grito de revolta,
soará até ao Infinito!

José Manuel Brazão

Na vida, o amor eterno tão sonhado!


Entrego o meu corpo ao teu,
como o meu rio encontra o teu mar;
provo das tuas águas,
navego sem medo
e teu corpo é um presente!

De tua boca recebo beijos,
que me aquecem,
aceito tudo de ti
e guarda de mim
este amor de bom grado
num encontro de almas,
 sagrado e na vida, 
o amor eterno tão sonhado!

José Manuel Brazão



Passear a felicidade


Passeio-me no chão da Vida
como sendo o princípio de tudo em mim,
na busca da Vida que desejo,
que tudo se transforme
e sinta aqui dentro do meu peito
a saudade que não esquece
tudo de bom que aconteceu
e eu assim passeio a felicidade!

José Manuel Brazão

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Lágrima


Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por seres generosa,
uma pedra preciosa
a decorar o meu coração!

Quando penso
e penso em ti,
vem o sonho duma paixão,
sonhada, mas por viver!

Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por ver
não estares ao pé de mim!

Apenas sonho
e vem a lágrima…

José Manuel Brazão

Com a Poesia te conheci


Entre o tempo
de ler poemas,
conhecer os Poetas,
tentar ver o ser humano,
que existe diante de nós,
cheguei a ti
e deparei com uma Mulher
expressiva, generosa
de pura sensibilidade!

José Manuel Brazão

O céu da ilusão


Não quero mais o céu da ilusão
que fazia bem ao meu coração,
mas confundia minha Alma!

A vida ensinou a encontrar o chão
que piso mesmo com pedras
que guardo num monte
e serão o meu banco de reflexão da vida
daí avistarei a natureza
nesse horizonte sem fim
e já não verei o céu de ilusão
que fará mudar o meu rumo
com a esperança que dias melhores virão
e entrarão pelas janelas da minha Alma!

José Manuel Brazão

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Sussurros de amor


Diga alguma coisa.
Diz que a força do meu pensamento às vezes esbarra no seu que começa a pensar.
Fala pra mim que ontem foi legal e que o pensamento vem tão forte em certas horas que parece que tá acontecendo agora, tudo isso porque na verdade é difícil de esquecer.
Conta como é a sensação de que um dia vai se repetir e de novo, e de novo, mesmo que demore.
E pra terminar grite como foi mágico o primeiro encontro e como foi sublime cada ato nosso de amar.


Luciana Silveira

[....]

Nosso amor viveu
do querer,  do desejar,
do sentir e do consumar
em prazer  infinito!

Nosso amor não foi sonhar,
apenas os olhos fechavam
e passavam por nós pensamentos
de vontade absoluta
em certas horas,
que sentíamos os corpos
suarem amor!

Tão dificil de esquecer
e temos a sensação,
que vamos repetir de novo,
não importando o quando,
mas com a certeza,
que será sempre mágico
como no primeiro encontro
e cada vez mais sublime
em cada acto de amor
e sussurrando entre nós,
que o distante se fará próximo,
sentindo o nosso respirar,
o cheiro dos corpos
em prazer sem fim!

José Manuel Brazão

domingo, 16 de dezembro de 2012

Depois de ti...


Sonhei com um lugar
somente nosso,
onde vivessemos
olhos nos olhos
os silencios
dos nossos pensamentos.

Uma distância que nos separa,
uma vontade que nos aproxima,
um desejo que nos une!

Cada dia que passa
existe ansiedade neste viver
em que sabes
que o meu coração é teu.

E junto de ti
apenas desejo,
que o meu sorriso final
seja em teu braços ficar!

Não há vontade que se acabe!


Vivo em ti
mesmo que a Vida
nem sempre esteja próxima!

No teu corpo escondes
o que te vai na alma,
amor cúmplice
e um coração
que vive junto do meu!

Corpos que se consolam
nos momentos só nossos,
que sonham com o belo da Vida,
com o momento certo
e seus corações clamam:
não há vontade que se acabe!

 José Manuel Brazão

sábado, 15 de dezembro de 2012

Amor solitário


Amo-te
solitário no meu viver!
Não importa se me amas,
se ainda me amas!

Amor
trás sofrimento,
não lamento.
Apenas relembro
para matar a saudade
da minha entrega
sem nada te pedir!

Apenas
sereno a alma,
de dar tudo
que existia em mim!

Paixão,
compreensão!

Que restou:
um corpo com
as marcas do amor
que levarão tempo
para desvanecerem…

O que ficará…
Um amor,
um grande amor,
que se tornou
num amor solitário,
mas recebendo sempre
amor solidário

de ti mesmo, meu amor!

José Manuel Brazão


http://youtu.be/5oN7Z_rmXZE

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Além de toda a distância


Meu coração vive
em permanente paixão
neste vai-vem
do vento amigo
que leva amor
e traz a tua emoção!

Neste ao sabor do tempo
nada nos distancia
e o amor nos aproxima!

José Manuel Brazão

Enquanto a chuva cai


Cada dia que nasce
a nostalgia percorre
teu corpo e alma
e fica dentro do teu coração!

Vives com olhar distante
vindo até mim,
olhas-me em imagens,
nas palavras e pausas...

O olhar se aproximou
beijas os poemas,
sentes o perfume romântico
de cada um
- vives dentro deles –
 evitas de reler e reviver,
mas não consegues,
a nostalgia viverá em ti
enquanto a chuva cai!

A minha busca constante


Assim continuo a Vida
nesta busca constante
de me encontrar por inteiro
em valores, sentimentos
e arrependimentos
de tudo em que errei
e serviu de crescimento
da minha Alma!

Após estas curvas
e no resto deste caminho,
quanto eu gostaria de ter
a sabedoria da água:
a água nunca discute com seus obstáculos,
mas os contorna.
José Manuel Brazão

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Minhas lágrimas...


Não sei quantas já derramei,
nesta minha Vida
de Homem e Poeta,
mas todas foram sentidas
por alegria ou tristeza!

Lavaram minha Alma,
aqueceram meu coração,
enriqueceram o amor em mim!

Por muitos chorei
sentindo os seus sofrimentos,
as suas horas de desespero,
angústia, melancolia
e mais chorei
quando me sentia
impotente para ajudar!

Aí ficaram retidas
no meu amor em silêncio,
nesse silêncio interior,
que eleva a minha Alma!

José Manuel Brazão


Mar imenso diante de nós


Olho para o mar,
perco o horizonte!

Mar imenso
que nos distancia,
mas não nos afasta!

Nosso amor
conhece o mar,
navega nele
todos os dias
da nossa vida!

Não haverá
naufrágio
e chegará a bonança,
as águas acalmarão,
e o meu coração,
liberto da tempestade,
esperará com esperança,
o dia
em que o mar imenso
nos aproximará,
para sempre, meu amor!

José Manuel Brazão


[....]

Olhando o mar me perdi
Diante de sua imensidão
Mais profundamente
Posso ver além
E me encontro em ti
Este mesmo mar que separa nos une
Salgadas e densas como ele
São minhas lágrimas de saudade
Mas nosso barco é leve e belo
E o nosso amor,
Ainda mais imenso que esse mar
Que apenas pensa nos separar.