Outros Blogs do meu grupo:

*

*

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

A concha

Vives nessa concha
em que sentes protecção,
mas não vives
a vida que sonhas
e desejas!

Vives um mundo
só teu,
vives um silêncio
de amor sofrido!

Um sofrimento
sem limites,
mas
o teu pensamento,
está na concha
e no coração de alguém…

José Manuel Brazão

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Sensibilidade


Nem todas as pessoas manifestam a sensibilidade tão objectivamente quanto se espera. Só aquelas que encontram ou descobrem em si, a criatividade artística, põem ao serviço do que escrevem, do que pintam, etc... esse potencial, esse dom.

Por essa razão, vivem um pouco solitárias, à espera da inspiração sensata e verdadeira, que transmitem por palavras, com o único objectivo de divulgarem ideias, alertas e muitas vezes denunciarem o caos, as assimetrias, as desigualdades, os direitos humanos, mas também divulgarem, a paz, a harmonia e o amor.

Os que escrevemos, somos pessoas vulgares, mas com a sensibilidade muito afinada, o que leva muitos dos que nos conhecem ou nos rodeiam, a não compreenderem a nossa forma de estar na vida . Pela minha parte, sou ajudado nessa matéria por duas amigas: uma de longa data e outra que conheci através do Cantinho da Poesia e passámos a ter uma lindíssima amizade, cheia de emoções e de mútua compreensão.

 Para se escrever é necessário viver bem com os nossos sentimentos. Ela já conhece tudo o que escrevi e, portanto, conhece bem o que sou e, porque sou.

Procuro transmitir aos leitores tudo aquilo que não vivo em plenitude, mas que gostaria de ser um bom mensageiro para os outros.Já vivi muitos anos nesta minha passagem pela vida, mas não me canso de melhorar o produto final do meu trabalho .

Escrever, é uma forma de generosidade e, sobre esse aspecto dar-me-ei todo, enquanto as faculdades mentais mo permitirem.
José Manuel Brazão


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Não consigo calar

Não, não consigo calar,
a voz do coração
com as palavras
que devem ser ditas
ou escritas,
no monento certo,
para que vejas em mim,
que me dou a ti
de corpo  e alma!

Não, não consigo calar,
a voz do coração,
enquanto houver Vida em mim!

José Manuel Brazão





sábado, 6 de outubro de 2018

JOÃO CARLOS - 6 de Outubro de 1972




Que tenhas eternamente muita LUZ

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Olhos que nunca esquecerei

Como posso esquecer estes olhos?
Não, nunca esquecerei!

Entro fácil neles,
são janelas bem abertas
para a tua alma!

Alma pura,
que através de sentimentos
me deslumbras
com encanto sem dimensão!

Teus olhos faz tempo
vivem em meu coração!

Vem sempre,
que te espero de braços abertos,
porque és a razão deste amor
que não morre, mas continuará!

José Manuel Brazão

domingo, 16 de setembro de 2018

Rendo-me a este amor

Não encontro a razão
para este amor,
sei apenas
que está no meu coração!

Não sai, ficou em mim
amar, amar,
sentindo em cada dia
as raízes deste amor 
fortalecerem 
e já te envolverem
no corpo e alma,
criando o nosso cativeiro
deste amor por inteiro!

E mesmo que a Vida 
nos separe os corpos,
uma força de Luz
permanecerá em nossas almas,
eternamente!

O destino se cumprirá
para além das vontades!


José Manuel Brazão

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

A pomba que desejo

Voas,
voas por aí,
sem descanso
na busca constante
e em cada instante,
de paz, harmonia
e amor!

Cansada,
mas não desistes;
sentes em mim
a tua força interior
e caminhamos
sempre
com mensagens,
e imagens
de poesia com Luz!

Neste pensamento
que nos pertence,
só tu
és a pomba que desejo!



José Manuel Brazão

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Primavera da Alma


Primavera em flor
onde desponta este amor,
que é meu jardim de encanto
colorido e florescendo
em nossos corações
criando odores
que se perpetuarão
em nossas Vidas!

Serás sempre
a minha rosa
de encanto, paixão
e amor infinito!



José Manuel Brazão

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

A chave do meu coração

Tento ser um romântico,
um sonhador,
um crente na Vida
e no amor!

Abri sempre o meu coração,
com sinceridade, verdade,
recebendo desilusões,
por viver ilusões;
tive encontros
e desencontros;
não culpo ninguém!

Eu escolhi os caminhos!
E neste novo trilho,
guardei a chave do meu coração,
até encontrar uma mão
divina para mim!

José Manuel Brazão

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Tua alma é metade da minha

Além da distância sofrida
és a razão da minha vivência;
a ti vou buscar
a força interior que preciso,
nesta vida convulsa,
em que a fraternidade
desvanece
a solidariedade
eclipsa,
mas o amor
em ti e em mim
ilumina nossas almas!

E nesta mistura de sentimentos
com a saudade sempre na frente,
tua alma é metade da minha!

José Manuel Brazão