**

**

Outros Blogs do meu grupo:

*

*

sábado, 31 de janeiro de 2009

Eu e a Vida


Vivi
o que tive de viver!


compreendo a vida,
olhando para trás!


posso viver a vida,
olhando para a frente!

O passado
não se apaga,
o futuro
vou recomeçar!

José Manuel Brazão

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Vai...


O caminho
já o descobriste!

Vai…
não hesites,
percorre-o
sem olhar para trás!

Vai…
acredita,
nós
que te amamos,
em ti confiamos!

Vai…
o Sol sorri-te,
a Lua confia-te
amor,
muito amor!

Vai…
tu mereces!

Dedicado à minha jovem Amiga Vera Leite (poeta Vera SOL)

José Manuel Brazão

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Saudades do amanhã...!


Passa o tempo
e vivo com saudades,
do que vivi,
do que amei,
de quem conheci
e de quem tolerei!

passa o tempo
e vivo no encanto
de quem me ama,
da vida
que ainda não vivi,
com saudades do amanhã…!

José Manuel Brazão

domingo, 25 de janeiro de 2009

Vestir um poema


O poeta tem de ser um bom costureiro do poema para que o leitor o entenda e se possível se reveja nele; que lhe assente bem.

Assim nasce um bom vestido ou um bom fato!

Quero falar do meu estilo a escrever: poesia ou prosa. Utilizo uma linguagem simples e que trate das coisas da Vida.

Muitas vezes utilizo a primeira pessoa (eu) para dar mais força ao texto, mas nem sempre aquilo se passou comigo.

Observo as pessoas e algumas delas servem como meus personagens consoante o que pretendo escrever.

Existem muitas mulheres que nem imaginam que são elas as protagonistas dos poemas!

Escrevo sobre a paz, a harmonia e o amor em que estas vertentes se interligam: não há harmonia sem paz e não há amor sem paz e harmonia!

Porque escrevo muito sobre o amor?

Sou um discípulo e um admirador de Vinícius de Moraes e da sua vasta Obra.
Estou influenciado pela forma como ele escrevia o amor e a mulher!
De linguagem simples conseguiu com esse método transformar textos simples em textos grandiosos e históricos. Marcou-me bastante “A arte de ser velho”, “Samba da benção” e “Soneto da fidelidade” e este soneto termina de forma realista e exemplar:

“Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja eterno enquanto dure.

Vinicius dizia com frequência: “ …. a vida é mesmo assim …”

De facto é assim que tenho usado na Poesia.

Tive um bom professor e esforço-me para em cada dia e em cada texto melhorar a minha função de trabalhar para que a vida seja mesmo assim!

Vinicius,

espero ter sido um aluno razoável!

José Manuel Brazão

Vida sonhada


Sonhas,
sonhas perdidamente,
a vida que querias,
mas não tens!
Olhas o passado
e recordas
as promessas da vida.
Olha em frente,
agarra a esperança,
com o coração,
com a convicção
de que o sonho
há-de ser realidade.
Um dia a Luz virá,
o teu sorriso lindo,
retornará;
e a vida sonhada,
será,
vida para amar …

José Manuel Brazão

Vidas


A vida é como uma felicidade,
para ser merecida.
No João
a vida como um amor,
para ser desfrutado;
no Pedro
a vida como um desafio,
para ser enfrentado;
no Paulo
a vida como uma aventura,
para ser agarrada;
nos meus Netos
a vida como Vida,
para ser defendida!

José Manuel Brazão

Viver


Existem momentos
de hesitações,
interrogações,
muitas interrogações!

Nem sempre
tenho resposta
ou solução!

Nem sempre
a voz do coração
me escuta
ou entende!

Aguardo
pelo amanhã,
com a esperança
que nem todos os dias
são iguais!

O ontem já esqueci,
o hoje estou a viver,
o amanhã está para nascer!

José Manuel Brazão

sábado, 24 de janeiro de 2009

Vejo-te distante


Tão perto já estivemos,
mas vejo-te distante,
não sei,
mas sinto!

Dou-te
o amor que posso,
sem pedir nada!
Apenas
que sejas generosa,
que me acompanhes
nesta vida ruinosa,
em que o ar que respiro
é o que me resta!

Apenas
que compreendas
um homem de amor,
que te vê
para além do desejo
e do prazer!

Mas
vejo-te distante …

José Manuel Brazão

Vejo a luz do Sol



Tanto pedi,
que Ele ouviu;
o que era uma tormenta,
passou a serenidade.
Precisei de tempestade,
para ver a luz do sol,
como há muito não via!
Só os desencontros
nos levam aos encontros:
connosco!
Quero a essência do amor,
para os que me amam,
os que se aproximem,
de mim ...
Não quero confusões,
apenas emoções
e tudo, mas tudo,
que me faça viver,
com alegria a vida,
vendo a luz do Sol,
com Verdade...

José Manuel Brazão

Uma noite


De longe
vi o teu sonho
dormir
e acordar
em realidade!

O teu dom
fez um caminho,
sempre a subir,
subir a encosta da vida
e daí
olhaste ao redor,
recordando:
que de um pedaço de papel,
nasceram poemas,
muitos poemas,
de paixão e amor,
poemas da vida:
a Catarina e o Filipe,
imagens poéticas,
melodias,
um estilo único!

Hoje,
sorrimos confiantes
e lembramos a esperança
e o acreditar,
até chegar uma noite,
esta noite …

José Manuel Brazão

Uma aprendiz na arte de viver


Desde que te conheço que fiquei com essa ideia!

Fazes o teu caminho sem empurrões, sem pretenderes ser superior aos outros!
És forte em certos momentos e se desejares atingir determinados objectivos, ninguém te trava!

Na tua discrição entregas-te aos outros, quando eles menos esperam!

No entanto, não ficam surpreendidos, porque de ti pode esperar-se somente amor, carinho e criação do Bem!

Tens sede da arte de viver e pretendes continuar como aprendiz!

Lição de vida de uma pessoa, de uma amiga com grande humildade!


José Manuel Brazão


Dedicado à minha Amiga Maria Liberdade

Um dia (onde lançaste sementes)


É uma realidade,
o teu livro,
a tua família,
os teus amigos,
todos testemunhando,
a tua felicidade.

Hoje
não escorregues nas lágrimas,
porque são de alegria!

Este é um dia,
um grande dia,
para não esquecer,
ficará na memória,
dos que te amam,
no local próprio.

Em tempos,
um dia,
um dia (onde lançaste sementes),
que o tempo não apaga!

José Manuel Brazão

Um Avô!


Passa o tempo
sem dar por isso!

Os netos crescem,
procuram-me
e não me encontram!

Ando por aí,
olhando por este,
ajudando aquele.

Passa o tempo
e meus netos crescem!

Não os vejo,
mas imagino
o amor
que nos atravessa.

Não os vejo,
mas sinto-os
a todo o instante!

Não me encontram,
mas sabem
que estou vivo,
sempre com o amor
por mensagem…

José Manuel Brazão

Tu és minha


Somos
eternos amigos,
companheiros
e amantes!

Sinto-te
a qualquer hora,
em todos os instantes,
neste lindo amor,
como nunca tive!

Amor com desejo,
deixando
para outro momento,
o prazer…

Sentes
a confiança que precisas,
o conforto do meu olhar,
das minhas palavras!

Muito nos separa,
muito nos une,
mas
tu és minha!

José Manuel Brazão

Tu e eu


Amo-te
e não liberto
esta paixão
que não abandona
o meu coração!

Amas-me
e não libertas
essa paixão
que não abandona
o teu coração!

Tu e eu
somos um,
na paixão
e no amor!

José Manuel Brazão

Teu sorriso é meu


Sorri
para o teu sorriso!

Encantas-me
quando apareces
e sem uma palavra,
entendo-te
pelo teu sorriso!

Sorrir
é saudável,
é carinho, afecto,
amor …

Teu sorriso é meu!

José Manuel Brazão

Tens um lugar no meu coração


Passaram sete anos!
Ao longo deste tempo,
sinto necessidade
da tua companhia:
de ver a tua alegria,
de ouvir as tuas palavras,
de sentir o teu carinho.
Vou buscar-te à escola,
dás-me um abraço
muito apertado,
nuito sentido,
como se soubesses
que necessito desse mimo
e necessito!
És menino de grande intuição;
percebes se estou alegre
ou triste.
As minhas emoções por ti,
fazem que no meu caminho,
tenhas um lugar no meu coração!

José Manuel Brazão

Sou Luso-Poeta


Ser poeta não basta!
A mensagem tem de passar,
com sentimento, expressão,
com Verdade!
para chegar ao teu coração,
aos nossos corações
e ver momentos felizes!

Ser poeta não basta!
tem de haver retorno.
Provocar sensação
e emoções!

Ser poeta não basta!
Criar
para reflexão,
para mudar mentalidades,
exalar
a Paz,
a harmonia
e o Amor!

Ser poeta não basta!
É preciso conhecer
e estar:
com os Portugueses,
com os Brasileiros
e com os outros Lusófonos.

Continuarei o meu estilo;
poesia à minha maneira,
com a palavra como bandeira!

Talvez seja Poeta,
mas com convicção,
já sou um Luso-Poeta!

José Manuel Brazão

Sorriso de irmão


Nesta noite triste,
muito triste,
encontrei nas palavras
deste amigo de sempre,
um conforto paternal,
que me fazia falta,
como os afectos.
Sinto-me só,
mas naquele pouco tempo,
senti calor
e o poder das palavras
foram um hino de Amor.
Vejo nele
um sorriso já antigo,
um sorriso de irmão.
Que grande coração
tem este velho Amigo.
Esteja Aqui ou Além,
nunca esquecerei as palavras;
palavras bondosas,
dum grande Homem,
duma grande Alma,
com sorriso de irmão …

José Manuel Brazão

Sonhar acordado


Sonho,
sonho muito..
mas acordado!
Vejo as pessoas,
observo-as,
falo com elas:
gosto (quase) de todas!
Passa o tempo,
vamos encontrando
aqui e ali,
ilusões e desilusões,
amizades
e infidelidades,
amores e rancores.
Não me revejo
neste mundo!
Resta-me o das crianças:
o novo mundo!
E agora?
Só sonho, dormindo...

José Manuel Brazão

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Visto-te ...


Visto-te
de rosas vermelhas
para sentires o seu aroma,
o nosso perfume!
Visto-te
de rosas vermelhas
quando digas:
“precisava tanto”...
Visto-te
de rosas vermelhas
quando uses “Para ti”.
Visto-te
de rosas vermelhas
quando pensares
na minha voz,
nas minhas palavras...
Visto-te
de rosas vermelhas
quando não me vires,
mas pressentires.
Visto-te
de rosas vermelhas
enquanto houver amor!

José Manuel Brazão

Sol nascente


Lindo dia de sol;
provoca calor,
exalta sentimentos,
gera emoções.
Lindo dia de sol
que eleva o amor.
Ficam as mulheres bonitas,
com coração palpitante.
Olho-as
e noto entre elas,
uma mulher especial:
de imagem luzente,
parece um sol nascente.
Aquece as minhas emoções,
aconchega o meu amor,
revive os meus sentimentos,
este sol nascente
no meu porto de sonhos!

José Manuel Brazão

Sinto-me só, mas...


Sinto-me só,
mas eu compreendo;
sofrendo.
deixa-me sinais no meu corpo,
na minha mente.
Por vezes inquietante
e outras angustiante.
Fecho os olhos:
medito e recordo
o passado pouco distante,
vejo as imagens
dos amados que partiram;
vejo as imagens
dos amados que ficaram.
Nesse instante
não me sinto só!
Mas preciso de viver,
amando e ser amado,
por aqueles que pairam
comigo neste cativeiro terreno
e pelos outros que já pairam
ainda sem mim num mundo mais feliz!
Assim sente:
meu corpo e minha mente!
José Manuel Brazão

Sinto a tua voz!



Sinto a tua voz
das palavras escritas,
com a nostalgia
da nossa saudade!

Cada dia
parece interminável,
ansiando por te ver,
por te sentir,
por te beijar!

Cada vez
o nosso amor
é mais forte
e mais sólido,
dando-nos
um amanhã
com momentos
de paz
e de harmonia!

José Manuel Brazão

Serei assim até ao fim!


Nesta caminhada,
aprendi o bastante,
para nesta vida constante,
me entregar!

Errei.
muitas vezes
Por imaturidade,
ignorância,
rebeldia,
mas nunca por saber tudo !

Procurei
compreensão,
tolerância, compaixão!
Pouco recebi…

Virei
a página da vida,
que me enganava,
me torturava,
sem saber o porquê?

Mudei
sinto-me bem comigo
e com os outros!.
Cada porta fechada,
agora está aberta!
Respiro
como nunca respirei!
Dou um sorriso
e recebo muitos!
Dou amor
recebo muito;
com carinho,
afecto, beijo,
sorriso e respeito!

Encontrei
o equilíbrio, a lucidez,
para me entregar
aos outros
que amam
ou que de mim precisam!
Dou
sem nada pedir!

José Manuel Brazão

Ser interessante


Desde sempre
te achei interessante.

A tua beleza
está na sedução,
na simpatia,
na serenidade,
no brilho do teu coração.

O meu
fica palpitante,
muito palpitante,
quando me dizes:
para me cuidar…

José Manuel Brazão

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Teus lábios


Os lábios de uma mulher,
requintam o amor!

Olho para ti
e vejo os teus lábios
colorirem tua beleza.
Procuro neles
as palavras tímidas,
mas carinhosas,
sinceras
e sonhadoras.

Teus lábios
inspiram muito amor,
para receberes
e para dares…

Teus lábios
juntam-se aos meus
e voamos
com as asas do amor!

José Manuel Brazão

Sensibilidade


Nem todas as pessoas manifestam a sensibilidade tão objectivamente quanto se espera. Só aquelas que encontram ou descobrem em si, a criatividade artística, põem ao serviço do que escrevem, do que pintam, etc... esse potencial, esse dom.

Por essa razão, vivem um pouco solitárias, à espera da inspiração sensata e verdadeira, que transmitem por palavras, com o único objectivo de divulgarem ideias, alertas e muitas vezes denunciarem o caos, as assimetrias, as desigualdades, os direitos humanos, mas também divulgarem, a paz, a harmonia e o amor.

Os que escrevemos, somos pessoas vulgares, mas com a sensibilidade muito afinada, o que leva muitos dos que nos conhecem ou nos rodeiam, a não compreenderem a nossa forma de estar na vida . Pela minha parte, sou ajudado nessa matéria por duas amigas: uma de longa data e outra que conheci através do Cantinho da Poesia e passámos a ter uma lindíssima amizade, cheia de emoções e de mútua compreensão Para se escrever é necessário viver bem com os nossos sentimentos. Ela já conhece tudo o que escrevi e, portanto, conhece bem o que sou e, porque sou.

Procuro transmitir aos leitores tudo aquilo que não vivo em plenitude, mas que gostaria de ser um bom mensageiro para os outros.

A minha amiga escreve lindamente, sobretudo, com refinada inteligência, efeito próprio da sua forte sensibilidade.

Já vivi muitos anos nesta minha passagem pela vida, mas não me canso de melhorar o produto final do meu trabalho .

Escrever, é uma forma de generosidade e, sobre esse aspecto dar-me-ei todo, enquanto as faculdades mentais mo permitirem.

José Manuel Brazão

Sei que estás aí...


Para mim comunicar é das coisas mais importantes na vida . Pela troca de opiniões, pelo diálogo, pela transmissão do saber, conseguiremos evoluir e conquistar progresso para as nossas vidas. Ultrapassaremos barreiras difíceis e quantas vezes transformaremos a utopia em realidade. A comunicar encontraremos caminhos de esperança . Se eu não comunicasse, tinha a sensação de não existir.
Na minha vida acontece que teimo na minha existência falando e escrevendo . Tenho amigos que nos vemos regularmente, outros que nos telefonamos quase diariamente e, uma outra amiga distante de Lisboa, que nos escrevemos frequentemente. Há pouco tempo numa mensagem disse-me: posso ter o meu tempo muito ocupado mas “eu sei que estás aí...”. Existem pessoas que passam na nossa vida e ficam gravadas na nossa existência .

José Manuel Brazão

Se eu pudesse


Se eu pudesse …
vestia o teu corpo
de rosas vermelhas!
Olhava-te,
seduzia-te …
ao meu redor,
exala do teu corpo,
o perfume de rosas.

Desse corpo
de incontida paixão,
tirei uma a uma,
cada rosa vermelha.

Teu corpo ficou belo,
muito belo …
sofri,
sofri muito...
perante o meu oásis!

José Manuel Brazão

Saudade é um mal de que se gosta e um bem de que se padece


Saudades! Quem as não tem?

Eu tenho as duas a que dei título.

Gosto de ter saudades de todos os que amo, daqueles que me amam, dos que gostam de mim, dos que me acarinham e que eu procuro corresponder de coração aberto.
Padeço de saudades por aqueles que amo e estão distantes de mim. Alguns, após estarmos juntos, já me deixam nessa situação: com saudades e ansioso pelo próximo encontro.
Por ti, João:

Sinto ambas. Gosto de ter saudades do meu filho, mas como te sinto muito próximo, não padeço tanto!
As minhas saudades por ti são uma cumplicidade com o silêncio e com o Universo!
Quando estou a editar e publicar o Blog és o meu companheiro, porque a flor e a cor que gostas é a rosa amarela. O logo deste Blog é um ramo de rosas amarelas.

Porque és o meu companheiro?
Quando abro o Blog olho logo para as rosas e vejo a tua imagem. Sorrio para ti e as rosas amarelas ficam mais viçosas...

Fica em Paz e com muita Luz


José Manuel Brazão

Sabores


Preciso
dos sabores
para provar
os amores
e as paixões.

As amadas
e as apaixonadas
dizem:
tens bom paladar
e apetite
não te falta…!


José Manuel Brazão

Rosas amarelas ( nunca estarei só! )


São as rosas que gostas:
rosas amarelas!
Belas
como o teu olhar,
o teu sorriso.
Belas
como os teus gestos,
as tuas atitudes.
Belas
como o teu amor!
Vejo rosas,
rosas amarelas,
ao meu redor.
O seu aroma
é o teu perfume.
Perfume que não me deixa
e, tu que não me abandonas!


(pensando no meu filho João que partiu
na viagem necessária em 24.AGO.1997)

José Manuel Brazão

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Por te amar tanto!


Noites agitadas que passo
com tua imagem presente.
Relembro a tua vida,
a nossa vida:
que já não é como dantes;
acompanhavas-me,
escutavas-me,
parecias feliz!
O tempo avançou,
nuns dias pareces triste,
atormentada,
noutros, pareces serena,
como se tudo estivesse bem!

Por te amar tanto
minhas noites são agitadas,
não descanso
por te ver assim,
por estares longe de mim,
por não ver teus olhos:
se me escondem
o que te vai na Alma!

Por te amar tanto,
meus braços estão abertos,
para conforto do teu corpo
e do teu amor!

Por te amar tanto…

José Manuel Brazão

Reencontro


Olhamo-nos
e não acredito
no que vejo!
O nosso reencontro!
O teu sorriso tocou-me,
relembrou o meu passado
fez brilhar o meu presente,
como um sol risonho!
Ouvimo-nos:
a tua voz
deixou-me em sonho!
Falei-te sobre a vida,
entendeste-me
e voaste por aí…
Não sabia o teu rumo
e com saudades fiquei.
A tristeza
invadiu meu corpo,
mas olhando o céu
a alegria
percorreu meu corpo,
voavas para junto de mim.
Não haverá mais reencontros!

Renasceram os encontros …

José Manuel Brazão

Procuro-te


Procuro-Te,
mas não Te Encontro.
Sinto-Te
junto a mim,
em cada instante,
mas não Te vejo!

Andas por aí,
ajudando
este e aquele.

Não me abandonas,
mas outros
precisarão mais que eu!

Aguardo a Tua Luz,
que me encaminhe
nesta encruzilhada da Vida!

Procuro-Te
e aguardo-Te…

José Manuel Brazão

Procuro na utopia... ser feliz!


Procuro sonhando
o que não encontro acordado.
Sonho com a vida
que me falta conhecer;
Sonho com as pessoas
que amo em silêncio
e que quero ajudar:
amando!
Sonho com as pessoas
que me ouçam,
me entendam.
É bom sentir-me vivo,
olhando para trás
e vendo
que não posso viver
um novo começo,
mas que posso viver
um novo fim.
Procuro na utopia,
a esperança
de ser feliz,
serenamente …

José Manuel Brazão

Procuro a felicidade. Existirá?


Durante esta passagem pela Terra que a tenho procurado, mas não a tenho encontrado e muito menos conquistado . Já cheguei a pôr em dúvida a sua existência ou que se tratasse duma miragem, dum mito!

Lendo recentemente pensamentos de humanistas que sempre admirei, parei e reflecti sobre alguns:

“Não existe caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho .”
(Mahatma Ghandi)

“Nosso cérebro é o melhor brinquedo já criado: nele se encontram
todos os segredos, inclusivé o da felicidade .” (Charles Chaplin)

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.” (Francisco Cândido Xavier - Chico Xavier)

Procuro na utopia … ser feliz “

Procuro sonhando
o que não encontro acordado.
Sonho com a vida
que me falta conhecer;
Sonho com as pessoas
que amo em silêncio
e que quero ajudar:
amando!
Sonho com as pessoas
que me ouçam,
me entendam.
É bom sentir-me vivo,
olhando para trás
e vendo
que não posso viver
um novo começo,
mas que posso viver
um novo fim.
Procuro na utopia,
a esperança
de ser feliz,
serenamente …

José Manuel Brazão
22.04.05



Esta vida que é um caminho percorrido por nós com muito erros, muitas distracções e, pior que isso, com invejas, intolerâncias, ódios que não contribuem para a paz e harmonia entre os Homens e, consequentemente, no Universo .
Nesta fase da minha vida resta esforçar-me por conhecer melhor o caminho (Ghandi), tentar descobrir o segredo ( Chaplin) e fazer um novo fim (Chico Xavier).

José Manuel Brazão

Princesas do povo (Mulheres)


Tenho raízes familiares que me dão ânimo para o tema deste texto.

Nasci numa família em que a minha Mãe vivendo numa classe média acentuada para a época, viveu sempre a cuidar dos mais necessitados.

Foi madrinha de muitas jovens, que não tendo posses para comprar o vestido de noiva e fazer algum enxoval, convidavam-na sabendo que ela ajudaria.

Lembro-me como se se passasse agora!

Esta foi a primeira princesa do povo e que mais me marcou!

Deve estar sorrindo lá no seu descanso passados trinta e seis anos.

Tenho muitas saudades dessa princesa do povo, mas não padeço, porque são saudades de que se gosta…

Conheço – felizmente – muitas princesas do povo: voluntárias de acção social,

Mulheres das artes, domésticas, profissionais com actividades propícias a dar amor e muitas jovens que já sabem o que é Amor de Verdade!

Princesas de corte só conheci uma a que me rendi: Diana de Spencer, que lutou contra tudo e todos.

Protagonizou-se e isso não convinha!

Mulher bondosa, generosa, cheia de compaixão pelo seu semelhante, seu irmão e não seu súbdito.


Citarei algumas palavras que evidenciam o que acabo de escrever:

Por vezes, podiam ver a luz que vinha dos meus olhos e, algumas vezes, podiam senti-la também jorrando do meu coração, quando eu estava em posição de me entregar, o que certamente nem sempre era capaz de fazer. Diana de Spencer

José Manuel Brazão


Dedico à minha Mãe e a todas Mulheres que se imaginem no meu pensamento.

Posso não ser ninguém no mundo


Não sou ninguém no mundo, neste mundo.
Mundo caduco e envelhecido,
para muitos, mais empobrecido
de valores morais.
Não sou ninguém no mundo, neste mundo.
Para muitos, mundo enriquecido
de invejas, arrogâncias,
cobiças e intolerâncias;
falta de amor!
Sinto tanta dor
por esta forma de viver,
que antes morrer,
do que ser alguém neste mundo.
Sonho,
vivendo a esperança
dum mundo melhor:
de harmonia e paz.
Sinto,
que nos meus pensamentos
e nos meus sentimentos,
posso ser o mundo de alguém!

José Manuel Brazão

Perda


Sou pai de três filhos: o João, o Pedro e o Paulo. Em Agosto de 1997 partiu o João para a vida eterna.
A propósito deste acontecimento, certo dia recebi uma mensagem da minha amiga Vanda e retive uma parte que passo a transcrever:
“....a perda do João foi a dor mais intensa fora de todos os limites, mas foi também o arranque para uma nova vida...não consigo nem imaginar a dor da perda de um filho... e mais adiante... ficou lá um vazio que tenta preencher e tem conseguido com o pensamento do além e com a mão de Deus...”
Estas palavras motivaram a crónica que intitulei “ Perda “.
O João após muito sofrimento partiu para a vida eterna como já referi.
Acredito na imortalidade da alma (a vida continua). Por isso a vida eterna. Assim concebo a nossa existência.
Agora, mais esclarecido para mim não houve uma perda, mas a ausência física (muitas saudades, quem as não tem!), mas foi numa “viagem” que um dia todos nós a faremos.
Como superei tudo isto?
Pela imortalidade da alma eu compreendi que a morte faz parte da Vida tal como o nascimento. Morte é vida!
São o começo e o fim desta passagem.
Vivo os meus dias com a convicção que o João nos acompanha e só nos separa um véu. Vivemos no plano terreno e ele no plano espiritual. Sinto-o sempre presente!
O seu cheiro, o seu sorriso a sua tolerância, o seu olhar de compaixão, não me abandonam.
Pensando que a sua alma está bem iluminada, a minha vida decorre, procurando evoluir para ser útil ao próximo e, olhar atentamente pelos outros filhos Pedro e Paulo. Acompanhar os seus caminhos...
De facto, como dizia a minha amiga Vanda “foi o arranque para uma nova vida”.Deus sabe que passei a ver a vida de outra forma; lição de vida!
Serenamente, fico nas Suas Mãos, aguardando a minha hora de: morte é vida!

José Manuel Brazão

Percurso de vida


Caminho longo
percorrido
com obstáculos
que superei,
uns por mim
e outros ajudado!

Por quem?
Alguém!

No caminho longo
encontrei de tudo,
coisas boas e más.
Pessoas
que me davam a mão,
pessoas
que me traziam no coração,
mas ele era artificial!

Uns
ficaram para sempre.
Outros
ficaram pelo caminho!

Eu
continuo o percurso,
caminho longo…

José Manuel Brazão

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Reflexo de Luz


És um reflexo de Luz,
vindo do Céu para a Terra!
És a continuidade da beleza,
que me paira na memória.
Ela onde chegava,
parecia Sol.
Luz,
muita Luz!
Contigo acontece o mesmo …
Luz,
Muita Luz.
Continuidade?
Assim seja …
A tua sinceridade,
a humildade
e a sensatez,
aprendeste com Ela,
sem dares por isso.
É um mistério,
que começas a entender:
a Vida!
O teu caminho na Vida!
O esplendor em Ambas será:
Amor,
muito Amor!
A voz do coração a dizer:
palavras de amor, de compaixão
e de tolerância!
Olhas para o Céu
e procuras essa Luz.
Ela não se vê!
É um reflexo…

José Manuel Brazão

Pensando em ti!


Em cada momento
o meu pensamento
está em ti!

Pensando,
pensando em ti,
vejo o céu azul,
sorrindo para mim!

Pensando,
pensando em ti,
vejo o sol radiante,
com muita Luz
que me cega de amor!

Pensando,
pensando em ti,
vejo a vida
com alegria,
com outro sabor!
Doce,
simplesmente doce!

Pensando,
pensando em ti,
sinto
na minha Alma,
amor e mais amor,
sinto
no meu corpo
desejo e prazer,
pensando em ti,
somente em ti!

José Manuel Brazão

Pássaro do amor


Voo por aí,
vales, montes,
terras e mares.

Em cada sítio,
paro.

Deixo
alegria,
uma palavra,
um carinho,
um afecto,
força de viver!

Deixo
uma lágrima,
um consolo,
uma esperança!

Sou
um pássaro do amor
com figura humana,
com a voz do coração.
deixando um rasto de luz!

José Manuel Brazão

Palavras (coitadas delas)


Palavras
muitas palavras!

Coitadas delas
que são usadas
como belas
para atrair,
como ruins
para trair!

Coitadas delas,
que são usadas
como meras palavras,
quando o seu uso,
será para educar,
denunciar
e até libertar!

Palavras
muitas palavras!

Coitadas delas,
que são usadas
e abusadas,
por quem pensa
que é
o que não é!

José Manuel Brazão

Pais disponíveis


Em tempos pensava qual seria o tipo de vida dos pais sem filhos, quando chegassem a uma idade mais avançada . Sentir-se-iam sós? Entregar-se-iam ao voluntariado? Ou deixariam a vida decorrer? É interessante ter encontrado nos meus Amigos Aurora e Fernando a desmistificação das minhas terrogações.Eles estão ocupadíssimos na missão de pais disponíveis há bastantes anos. Entregaram-se como orientadores e conselheiros de jovens que conheço, e de todos os outros jovens e mais velhos que necessitam das suas palavras e dos seus gestos. Sei que dão com muito amor! Eu próprio já sou exemplo disso! Vejo neles uma felicidade como se fossem pais biológicos. No entanto, não precisam dessa condição ou qualificação, porque a Vida concedei-lhes esta missão . Que o digam os beneficiados com o seu Amor e dedicação!

José Manuel Brazão

Outono da minha vida


As folhas caem
como desfalecidas.
O vento as leva
e outras nascem.
Nós partimos
e outros chegam.
Ainda estou vivendo;
o meu Outono!
O corpo dorido
e as folhas amarelecidas,
parecem Outono.
O meu Outono é Inverno:
frio, triste, doente.
Não há agasalho
que aqueça a minha tristeza,
nem um sol nascente,
que traga de volta a alegria.
Outono:
folhas caídas sem destino
que leva o vento.
Agarrado à esperança,
espero pela bonança,
para ser folha com destino …

José Manuel Brazão

Ouço a chuva, limpo lágrimas


No silêncio da noite,
ouço chuva,
sinto-me triste,
e pelo meu corpo
correm saudades
de tudo
e de todos…

Neste silêncio
nascem coisas belas,
como se me asfixiam as ideias,
que me contrasta
com o que sou,
ficando perdido,
sem saber para onde vou…

Luto com este silêncio,
ouvindo a chuva!
Misturo-me com ela,
para que lave meu corpo,
me purifique!

Vou andando,
aceito a chuva,
como uma bênção,
pelo amor
que tenho dentro mim,
que não se cansou,
de amar tanto;

Meu pobre coração,
que tanto aguenta
de resignação,
pelos esquecidos
e pelos não queridos.

Pela minha face
escorre chuva e lágrimas.

Continuo a ouvir
e a sentir a chuva
e limpo as lágrimas…

José Manuel Brazão

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Os meus silêncios


com um sinto-me bem,
com o outro lido mal.
O silêncio que me rodeia,
perturba-me:
pelo desapego,
pela indiferença
e quase
pela não existência.
Mas eu existo!
Enquanto não descobrirem:
quem sou,
porque sou
e para o que vim,
com este silêncio lidarei mal.
Conforto a minha existência
com o outro silêncio,
o silêncio interior!
Aí se juntam o amor e o coração,
havendo sintonia,
com outros seres de Luz,
que provocam em mim,
com persistência,
paz e harmonia.
Nem que seja por instantes,
alimenta-me a Alma;
ganho forças para continuar,
o meu Caminho,
este longo Caminho …

José Manuel Brazão