**

**

Outros Blogs do meu grupo:

*

*

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz ano 2 0 1 6


Jose Manuel Brazao

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Amor ajuda-me a ser feliz...

Não vivo sem ti
na vida e em sonho,
sinto um vazio em mim
e basta a tua imagem
a tua voz  o teu carinho
e meu coração sorri
para o teu que guarda
minha alma para todo o sempre!
Amor, ajuda-me...
a ser feliz!

José Manuel Brazão

sábado, 26 de dezembro de 2015

Poeta minha Poeta


Tua poesia é um jardim
que me encanta e invade minha alma
e de teu coração saltam palavras
de tua alma vêm flores
com um aroma especial
de grande carinho e amor,
que eu abraço
e meu coração pulsa
como coração poeta
provocando em mim
poemas e mais poemas,
para a Poeta e a Mulher,
que já vivem em meu corpo e alma
e serão momentos de intenso amor
por ti querido, sentido
e por mim desejado
num tempo que é o nosso “mundo”
sonhado, prometido
e agora concretizado!

José Manuel Brazão

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Es um Homem feito Poema

Poesia,
fascínio e magia!

Como te adoro

e serás eterna,
no meu escrever
e no meu viver!

Poemas

que afastaram
os meus dilemas,
renovaram
a minha alma,
confirmaram
o meu amor
e já não passo
sem ti:
Poesia!

Neste amor

pelo mundo da Poesia,
sinto e dizem-me,
és um homem feito poema!

José Manuel Brazão




* Dedicado aos Poetas e em especial à minha Amiga e Poeta Maria Valadas
que me chamou “És um homem feito poema”.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Noite de Natal


Estou sózinho,
triste
e amargurado.
Faço o meu caminho,
com mais dificuldade,
parecendo atordoado!
Estou num deserto
ao cair da noite,
não vejo ninguém,
por perto.
Olho ao meu redor,
vejo pegadas na areia.
Fico ansioso
porque as pegadas:
são as minhas pegadas.
Que dor, Senhor!
Palpita meu coração,
que procura
a minha dignidade,
não por compaixão,
mas por solidariedade.
Pura desilusão,
para quem respeita,
o amor,
o solidário amor…

José Manuel Brazão

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

NATAL de 2015



Jose Manuel Brazao

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Na alma do Poeta

Nem sempre a coragem
está em mim
e nela tento buscar
as forças que preciso.
Choro em silêncio
lágrimas ocultas
na alma do Poeta.

E em noites sem Lua
vem uma Luz iluminar
o meu coração de Homem
e Deus enxugar essas lágrimas,
deixando lágrimas do Poeta,
serem de alegria, alegria pensando
em quem lê a sua Poesia!

Minha Mãe e a Poesia
serão sempre amor eterno!



José Manuel Brazão

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Nosso sofrer pela distancia



Se eu pudesse …
vestia o teu corpo
de rosas vermelhas!
Olhava-te,
seduzia-te …

Ao meu redor,
exalava do teu corpo,
o aroma das rosas.

Desse corpo
de incontida paixão,
tirei uma a uma,
cada rosa vermelha.

Teu corpo ficou belo,
muito belo …
sofri,
perante o meu oásis!!!

José Manuel Brazão

domingo, 6 de dezembro de 2015

Coisas da Vida

Há coisas que nos levam,
pela entrega que demos,
usando empenho,
carinho, amor
como se fossem um filho!

Assim uso na vida
as forças e os sentimentos
para o desempenho
de missões no meu caminho!

Dou tudo de mim,
o corpo e a alma,
sempre com um sorriso
no equilíbrio
do querer, do acreditar
para servir causas
a bem do próximo,
para meu contentamento
e encantamento!

Quando se aproxima o fim,
meu corpo dói,
minha alma sofre;
um pouco de mim
é levado,
perco – talvez- o meu EU
e hesito se recupero
ou se não devo olhar para trás!

E na memória do tempo
apenas sereno,
porque o que perdi
já não é meu,
mas pertence
ao Universo!

José Manuel Brazão

Vestes o silencio e amas!

Nasceu este amor
como gratidão ao Sol!

Iluminou nossas almas
que andavam desavindas.

Cresceu este amor,
entre lágrimas e sorrisos.
Dei-me todo a esta paixão,
que não pára
neste palpitante coração!

Choras, porque o desejas,
mas …
Vestes o silêncio
e amas …

Guardas para ti
este amor,
esta loucura,
esta paixão...

... e a tua alma
está sempre em mim!

José Manuel Brazão

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Flor do meu pema

Todos os dias te contemplo
em minhas mãos, te acaricio
como a flor do meu poema
uma flor mulher
que invade minha alma e instintos,
e vejo despida em poema!

Sinto o teu desejo
reflectido em meus versos,
pulsando esse coração
entre as tuas pétalas,
pétalas de amor,
que deixa o poeta em dor
por sentir o teu aroma
e não sentir o teu corpo...
apenas a essência...



José Manuel Brazão