**

**

Outros Blogs do meu grupo:

*

*

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Vale sempre a pena!


Quando minha vida, parecia outonal
com a queda das folhas da esperança ansiada,
num sono sem fim, de novo acordei
e apareceste de braços abertos
para estares comigo neste amor florido
de encanto, muito encanto
em que tu és a rosa das rosas!

E por acreditar, que não haverá mais
Outono triste, de folha caída,
vale sempre a pena acordar para a Vida
com a Mulher dos nossos sonhos!

José Manuel Brazão

Desta frase nasceu o poema.
Vale sempre a pena acordar para beijar a mulher dos nossos sonhos!
Luís R Santos (aquazulis)



ZéPoema,

Que beleza de poema, onde a esperança é tua fiel companheira.
Acredita "que não há mais Outono triste" em tua vida. Basta quereres sonhar com a mulher que amas.
Parabéns, amigo.
Beijos
Maria Valadas


Flores da tua alma


Noite muito linda
para jamais esquecer!

Um sonho tranquilo,
sereno e colorido
como jardineiro
das flores da tua alma!

Tenho muito amor
por essas flores viçosas
e formosas
que vivem em ti na tua alma!

Nem precisariam do jardineiro,
porque são diferentes,
com um aroma especial,
não precisam de água,
apenas se alimentam do carinho,
da ternura que lhes dou!

Será sempre
o jardim do meu encanto
e tu Mulher com essa alma
reflectes em mim
um amor como nunca tive
por sentires tudo o que te dou
e às flores da tua alma!

José Manuel Brazão

Amor em silêncio


Sofro,
sofro muito,
com este amor,
com o meu silêncio!
Amo
como nunca amei...
Por me sentir só?
Não...
Porque não tenho a rosa,
a rosa vermelha!
Tantas rosas conheci
e só esta eu admiro!
No silêncio,
sinto o seu aroma,
vejo a sua cor:
de vida ...
o seu olhar generoso:
mas não me dá
a alegria,
o afecto, o amor!
É bela a paixão,
mas tem dor,
aperta o meu coração!
Estou neste desencontro,
neste amor em silêncio,
que procurei
e de que não me arrependo...

José Manuel Brazão 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Abri a janela do coração


Acordei diferente
e não sabia porquê!

Dei passos pela casa.
abri janelas,
entrou brisas.
mas  fiquei assim...

Meu coração pulsou
e então abri a janela do coração!

Meu corpo e alma
reagiram como já fosse diferente
esse amanhecer fez o Sol entrar
e as nuvens cinzas desapareceram!

José Manuel Brazão

* Baseado nestas palavras da minha Amiga Sueli Rodrigues
... abra a janela do coração, deixe o sol entrar e as nuvens cinzas desaparecerão---
Su

Meu coração é teu e sabes disso!


Um amor assim,
vivido e alimentado por nós,
só de quem ama com alma!

Um amor
no tempo em silêncio,
na memória do tempo,
com lágrimas guardadas na alma
e outras escondidas na sombra da Lua!

No resto do nosso caminho,
até final desta vivência,
amar-te-ei para sempre,
meu coração é teu
e sabes disso!

José Manuel Brazão


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Nostalgia

Cada dia que nasce
a nostalgia percorre
teu corpo e alma
e fica dentro do teu coração!

Vives com olhar distante
vindo até mim,
olhas-me em imagens,
nas palavras e pausas...

O olhar se aproximou
beijas os poemas,
sentes o perfume romântico
de cada um
- viveste dentro deles –
queres evitar de reler e reviver,
mas não consegues,
a nostalgia vive em ti!

José Manuel Brazão

Adeus até à eternidade!



Da janela da minha Vida
olho esse mar da ilusão,
de ondas e maresia de amor,
que me lembram
esses momentos de fervor
de amor intenso
ora sonhado
ora vivido
e agora sofrido,
deixando dor
a quem um dia
se teve amor...
... hoje olhamos
as nossas imagens,
sentimos o cheiro
desse amor
e da saudade por inteiro
em nossas almas!

José Manuel Brazão

http://www.youtube.com/watch?v=9m7cSx2mkNg


Tu és a raiz do meu amor!



Uma vida que amanhece
com o Sol 
trazendo a esperança!

Ele está presente

Mesmo encoberto por nuvens
com imagens de coração,
de amor que não vai…


Um Sol que ofuscou a Lua
para deixar em mim
este amor que não vai
enquanto a paixão viver dentro dele!


Vieste tu, Mulher amada
e o Sol, a Lua e a esperança
brilharão para mim!

Raízes profundas desse amor

enroladas no meu corpo,
que me prendem à Vida
e a este meu Destino,
meu poema… do amor!

José Manuel Brazão


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Mar imenso e sem volta


Navegarei no mar de teus sonhos
enfrentarei a tormenta de teus olhos
em meu barco levo a saudade
no meu corpo a louca vontade
de atracar no porto, em teu coração

Num mar de vida,
de lágrimas vertidas em saudades infindas
Sou marinheira de viagem única
de peito aberto e velas contra o vento
em busca do porto-abrigo

Mar bravio de desencontros
Te vejo meu norte,
meu rumo de peito e velas
No barquinho sozinho, que o mar navega
parte prá ti numa entrega
O coração marujo do amor.

Anna Carvalho


[....]
Olho para o mar,
perco o horizonte!
 Mar imenso
que nos distancia,
mas não nos afasta!

Nosso amor
conhece o mar,
navega nele
todos os dias
da nossa vida!

Não haverá
naufrágio
e chegará a bonança,
as águas acalmarão,
e o meu coração,
liberto da tempestade,
esperará com esperança,
o dia
em que o mar imenso
nos aproximará,
para sempre,
para sempre, meu amor!

José Manuel Brazão

Não pedi, mas tu deste-me!


Assim quis teu coração
que estivéssemos perto
de corpo e alma!

O que parecia distante
se fez próximo
com corações unidos
pelo carinho que enviaste
e eu recebi
como dádiva de Deus!

Sem toques de corpo,
nossas Almas se tocaram!

José Manuel Brazão

Amor ferido

Mulher
de amor e paixão,
generosa,
determinada,
dá-se aos outros
com aquele coração,
palpitando,
com veias de amor!

Mulher
bela e cativante,
estonteante
de fácil sedução,
sempre
comigo à espera,
para lhe dar a mão!

Mulher
Carente de amor,
amor solidário,
que encontra em mim,
o seu amigo
de hoje e amanhã,
da amizade sã.

Mulher
de amor ferido
que não morreu…

José Manuel Brazão

domingo, 27 de janeiro de 2013

Novos caminhos, mas sempre juntos!


Neste grande amor,
vivem-se momentos
de paz e harmonia,
que avivam
nossos sentimentos!

Tivemos
lições de vida,
amor distante,
mas sempre próximo:
tu aqui
e eu aí!

Sentimo-nos!

Viste Luz,
eu serenidade
e caminhamos juntos!

Em missões diferentes,
mas sempre,
sempre juntos,
nos afectos,
nos carinhos
e nas saudades!

Momentos vividos
e não esquecidos,
que constroem
laços de amor!

Tu aí,
eu aqui
e depois…
… para além
da nossa existência!

José Manuel Brazão

sábado, 26 de janeiro de 2013

Enquanto a chuva cai...


Cada dia que nasce
a nostalgia percorre
teu corpo e alma
e fica dentro do teu coração!

Vives com olhar distante
vindo até mim,
olhas-me em imagens,
nas palavras e pausas...

O olhar se aproximou
beijas os poemas,
sentes o perfume romântico
de cada um
- vives dentro deles –
 evitas de reler e reviver,
mas não consegues,
a nostalgia viverá em ti
enquanto a chuva cai!

Sem ti!


Nada há em mim se teus olhos se afastam;
resta uma saudade que molha meu peito,
uma dor que acolhe minha’alma

Nada reluz sem teu Sol em minha vida,
como é triste esse caminhar sozinha...
Jaz em mim uma tristeza infinda!

Sem ti; sou de mim pouco mais que a metade ,
sou o que resta quando os sonhos se vão,
sinto-me sozinha no silencio da escuridão

Minha pele sente a ausência de teus toques,
meus olhos a ausência de tua paz...
Assim sem ti; nada apetece, nada resta...

Anna Carvalho
[....]

A minha vida
sem ti
não faz sentido!

Amo-te
como nunca amei,
está em mim
como parte da minha vida!

Amas
e vives esta paixão
sofrendo,
cada hora, cada dia,
como se houvesse
apenas presente!

Nosso amor
é uma rosa viçosa,
Cuidada em cada dia,
e só morrerá,
quando nós também!

José Manuel Brazão


Palavras ao vento


Nesta vida poética
palavras escrevi
pensando em ti
vestindo-as com paixão
saídas do coração com amor,
com muito amor
e hoje sofres a dor
de guardares no teu peito,
que pulsa de arrependimento,
num confuso sentimento
de amor escondido,
mas que desejas gritar  ao Mundo,
que foi o teu amor real,
vivido, sentido,
e será sempre um amor,
um amor inacabado em Poesia,
nas palavras,
mas será consumado
por ti nos gestos
e atitudes para comigo!

Palavras ao vento,
que esse vento amigo
fez chegar a ti!

José Manuel Brazão

Sonho de amor


Sonhas
com o amor ideal
e paixões vagueantes,
palavras sedutoras
em noites delirantes
de prazer sem fim.

Sonhas por mim,
com o mistério
de ser quem sou
e de não me teres.

Sonhas em cada noite
o amor que desejas,
o amor que esperas,
com o teu coração,
suspirando entrega.

Sonhas
delirando amor,
muito amor!

José Manuel Brazão

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Entrega!



Nunca partiria teu coração
e não precisas de suplicar
em silêncio,
porque nosso amor
está bem vivo!

Sentes meus braços
enlaçados em ti
numa paixão
presente e ardente,
em que nossos corpos
vibram de desejo permanente,
para serenamente,
me sentires dentro de ti!
Entregas-te confiante
e eu viverei
em teu corpo, sempre!

José Manuel Brazão

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Menina do mar!


Vens do mar,
desse mar imenso,
que nos distancia,
mas nos aproxima
em cada dia!

Quando nos vimos
em poucas palavras
nos sentimos
com carinho,
afecto,fraternidade;
uma doce felicidade!

Te vi como um anjo,
mas vieste do mar
e serás a menina do mar
nesta onda de amor,
 navegarás no meu corpo!

José Manuel Brazão

Quem ama tem saudades!


Sempre com saudade,
muita saudade,
porque amo sem limites,
mesmo quem me ame em silêncio,
ou quem me manifeste
com um simples carinho,
com um sorriso
ou uma mão estendida!
Eu espero...

José Manuel Brazão

Relembrando: Nas mãos do Poeta


Nas mãos  do poeta
existe a voz do coração.
Mãos com vida,
que choram, riem,
levam amor
ao coração da Mulher,
com versos floridos
de rosas
amarelas, vermelhas,
são rosas
do jardim do encanto,
junto do lago da paixão!

E nesta missão
sua alma se eleva,
outras acalma
por ser mensageiro
de amor nos versos
do seu coração poeta!

José Manuel Brazão

Anna
Diante do grande talento que és e alma de inspiração invulgar, junto o meu poema singelo
ao teu poema-presente para que eles fortaleçam no Tempo nossas Vidas e a Poesia.
Beijo grande


Mãos que falam, sem dizer
nas tuas mãos tem vida,
vida transmitida em versos

Mãos benditas, que dão afeto
generosas mãos de homem,
que tecem letras encantadas

Mãos do amor, tocam no fundo
na alma da flor, benfeitor
trata da terra com ardor...

Dor...

Mãos que por vezes choram,
descrevendo lágrimas rimadas
na esperança de acalmar a alma

Mãos mensageiras do peito,
traduzem o coração da Mulher
-flores no jardim de teu amor-

Mãos iluminadas, tens na vida
missão certa: levar amor aos versos,
Ser o espelho do coração poeta!

Anna Carvalho

Um pequeno carinho meu diante de tudo que tens feito por mim,
por sua grandeza de alma, amor incondicional, pelo apoio na poesia
e na vida pessoal. Te agradeço!
Beijão
Anna.

3/Março/2012

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Teu destino!


Sonhaste,
viveste
e assim será!

Na vida sofreste,
uma mão te levantou,
andaste
e correste de alegria!

Alegria,
muita alegria,
benditas lágrimas
a lavarem tua Alma!

Hoje
recordas feliz,
esse momento
que marcou
- para sempre –
o teu corpo
e a tua alma!

Por momentos
olhas o Céu
procurando o teu Anjo.

Ele vem

- não te abandono -procuras
o teu caminho,
e ele indica-te:
é o da gratidão,
com muita Luz,
Paz e Amor!

José Manuel Brazão

Lindo... lindo! A gratidão e humildade são adjetivos de pessoas iluminadas, de anjos em forma de gente!Parabéns, Zé!
Patrícia Ximenes


http://www.youtube.com/watch?v=2z77Jp_UcfM&feature=player_embedded 

Nasce o dia...


Há muito tempo
que vejo o Sol nascer…
Já nem me lembro
quando foi…!

Nem sempre
ele me sorri,
por vezes
 parece cinzentão,
mas quase sempre,
brilha e aquece
o meu coração!

Tu
minha alma querida,
ficas triste,
muito sofrida,
incompreendida!

O teu amanhecer,
nem sempre é igual.

Eu
com fé inabalável,
vejo mais perto
o teu desejado Sol;
Sereno, digo-te:
chegará o teu amanhecer!


E eu
distante mas próximo,
verei e sorrirei
quando esse amanhecer chegar!

José Manuel Brazão

Não deves fugir...


Vieste ao meu encontro:
ficaste!
Passei a viver
cada dia, cada hora,
com o reencontro.


Ganhámos afinidades,
e se não há reencontro,
sentimos saudades.


Eu estou aqui
e tu aí …
Um distante tão perto,
separado pelo tempo,
unido pelo pensamento.


Na vida,
cada um no seu caminho,
na ânsia,
dos caminhos se cruzarem.


Na vida,
cada um sonha com a felicidade,
vive com a saudade,
dum novo reencontro.
Ainda não quero partir;
não podes,
não deves fugir …


José Manuel Brazão

Uma alma amanhecendo


Hoje meu dia amanheceu triste
Talvez seja o sol que não apareceu
Cai uma chuva fina lá fora
Em mim escorrem rios de lágrimas

Minha alma se encostou a um canto
Não quer mais sair de lá
Tenho pena dessa alma que chora
E nem sabe quando vai parar.

regina ragazzi

[....]

O nosso amanhecer será radioso,
nascerá dentro de ti
e passarei a vivê-lo!

O anoitecer não o verei,
esquecerei!

Nosso amor estará vivo,
com o amanhecer,
após outro amanhecer…
… e assim será…
até sempre!

José Manuel Brazão


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Amar-te-ei para sempre!


Um amor assim,
vivido
e alimentado por mim,

de quem ama com alma!

Um amor
no tempo em silêncio,
na memória do tempo,
com lágrimas
guardadas na alma
e outras
escondidas na sombra da Lua!

No resto do meu caminho,
até final desta vivência,
amar-te-ei para sempre!

José Manuel Brazão


Um amor que não partiu!


Por tempos esteve adormecido
como se tivesse partido
e nós vagueando no tempo,
na Vida por aÍ...
Mas não partiu,
e deixou uma luz,
em que nada é certo;
apenas a morte!
Vi primeiro a luz,
porque em mim
a chama nunca apagou,
nunca partiu com esse amor!
Em ti sempre ficou
o pulsar do teu coração
na procura da razão,
no refúgio em silêncio,
que doi muito,
que faz sofrer
e o amor sempre atento,
nos acorda para o anseio,
que luta
com nossos corpos
e serena as nossas almas,
abrindo o caminho
para uma nova reflexão:
Um completa o outro?

José Manuel Brazão

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

As palavras que pairam ti!



Palavras que pairam na tua alma,
percorrem as tuas veias,
escorrem pelas tuas mãos
e chegam a nós por e com amor!
E nesse teu encontro
de amor, muito amor
com a Vida e a Poesia
sorris encantada,
porque sentes
 tua alma alimentada
pelo teu querer e sentir
ser Poeta!

José Manuel Brazão

O coração que canta e encanta!



Existe o dia e a noite
nesta nossa vida
de amor
num só corpo e alma,
alma gêmea!

Teu coração
pulsa, canta
e encanta
com hinos de amor!

Na memória do tempo
ficará esse amor
que ele derrama
e eu recebo e guardo
como presente divino!

Por ti e em ti
ficarei em teu colo
ouvindo sereno
esses cantos
e encantos
das tuas melodias de amor!

José Manuel Brazão

domingo, 20 de janeiro de 2013

Relembrando: Flor do poema


Queria ser apenas a flor,
para nas mãos daquele poeta
morrer de tanto amor.
De suas melodias ser a orquestra,
as notas, as letras, o ritmo
e o motivo a compor.

Para o poeta eu queria
ser de sua poesia a flor.
Renascida, convergida
à contemplar a fantasia
nos enredos de amor

Em sua boca seria o absinto,
entorpecendo lentamente os sentidos.
Do corpo seria sua alma e instintos,
à ministrar no silêncio da pele
por minha carne os desejos e vícios.

Desejaria ser do versar a musa,
nua de pele, vestida de letras
um poema em Mulher
a vida despida em poema.
Como o rio desaguando em mar aberto,
carregando na cor dos olhos dilemas.

Descreveria a pele vestida em mim
na poesia do poeta o desejo.
Do carmim de meus lábios
agregado ao doces dos beijos,
o arrepio sentido na pele
ao reagir a língua que a boca interpele
os inúmeros devaneios...

Queria ser princípio e fim.
A inspiração, as rimas, os versos,
os corretos e avessos confessos.
A sedução em contexto e reflexo,
daquele que poeta Hortênsias
sublimadas em delicados aspectos.

Queria ser do poema àquela flor,
para que no peito e nas mãos do poeta
pudesse viver descrita nos versos
que seu amor à inspiração confessou.

Anna Carvalho
em participação especial

[....]

Todos os dias te contemplo
em minhas mãos, te acaricio
como a flor do meu poema
uma flor mulher
que invade minha alma e instintos,
e vejo despida em poema!

Sinto o teu desejo
reflectido em meus versos,
pulsando esse coração
entre as tuas pétalas,
pétalas de amor,
que deixa o poeta em dor
por sentir o teu aroma
e não sentir o teu corpo...
apenas a essência...

José Manuel Brazão

Sonho lindo



Ainda não acordei
deste sonho lindo
- nunca foi sonho –
vivido cada instante,
com o tempo não parando
e nos deslumbrando
com este amor assim...

Não foi conto de fadas,
nem paraíso inexistente,
foi amor caloroso,
forte, convicto,
cada vez mais exigente
pedindo a cada um de nós
e ignorando os limites
que em tudo existem!

Ainda assim
se pudéssemos
jamais acordaríamos...!

José Manuel Brazão