**

**

Outros Blogs do meu grupo:

*

*

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Porquê?



Sim, porquê?
porque
me entristeces,
desprezas,
abandonas!

Eu vivo por ti,
para ti
e não dás a mão,
quando apenas
peço compaixão!

Buscas
na minha força,
o desequilíbrio,
o engano,
o desânimo,
a desistência!

Enganas-te!

Tenho força interior
bastante,
para agarrar a esperança,
viver dias de Sol,
libertar-me da escuridão
que me ofereces!

Desejo

que eu e tu (vida),
Sejamos Amigos
Para todo o sempre!

Jamais te perderei!

José Manuel Brazão

Jardim do meu encanto


O amor
anda comigo,
no meu pensamento,
como um bálsamo
do meu coração
e da minha vida!

Tenho o meu jardim
sempre florido,
com rosas
dos amores, paixões
pelas mulheres da minha vida!

Existem rebentos
a florescer
como rosinhas,
as rosinhas da minha Vida!

Todos os dias
olho para o jardim
e meus olhos se encantam
vendo em cada flor
uma parte de mim!

Aproximo-me de cada uma
e acarinho, dou amor
e sorrio…

… cada flor
é uma história vivida,
com encanto,
paixão e amor!

O jardim do meu encanto
ficará…
e eu um dia
partirei
com o meu corpo coberto
de pétalas de amor!

José Manuel Brazão

Não sei para onde vou...



Não sei para onde vou!

Mas que seja um sítio,
com paz,
harmonia
e amor.

Que se acabe a dor
que trago dentro de mim,
as tristezas,
as angústias.
Que relembre:
os momentos bons
a quem dei amor,
em troca de nada.

Estar bem comigo
e com Ele …

José Manuel Brazão

Bela Reflexão feita poema!
Ah!O que eu senti ao ler-te...
Eu sou uma pecadora...
não poderia ter o mesmo sentir dos últimos versos:
" Estar bem comigo
e com Ele"
Por isso chorei!

Beijos querido poeta!
Cristhal

A noite



Olho o horizonte,
Vejo luzes,
gentes:
regressos a casa,
idas para farras.
Vejo passeios,
Gentes:
solidão,
sem ninguém,
com coração
para dar amor;
receber nada!
Nem compaixão,
nem interesse
pelo ser, seu irmão.
Vejo esperança,
de gentes:
diferentes …

José Manuel Brazão

domingo, 29 de novembro de 2009

Não entendo???



Olho
e volto a olhar;
não entendo!

Penso
e volto a pensar;
não entendo!

Uma vida
com mágoas,
com marcas em mim,
tristezas que não vão;
alegrias que não vêm!

Onde estão,
os amigos de ontem?
Aqueles
a quem dava o sorriso,
estendia a mão!

O amor…
Não entendo!

José Manuel Brazão

Dedico aos Amigos do Hoje e dos Amanhãs
e aos Amigos resistentes com décadas
de companheirismo!

Já não estou aqui...


Parti
em busca do amor,
que me acalme,
me compreenda,
não me desiluda!

Não quero um amor,
mentiroso,
dividido, indeciso,
desgastante…

Quero um amor,
leal,
apaixonante,
de mãos dadas,
que acabe com
o sei que estás aí,
quando
já não estou aqui…

José Manuel Brazão

Como é bom!



Como é bom
saber
que me acordas,
me dás a tua bênção,
para um dia feliz!

Como é bom
saber
que à noite
não te deitas,
sem me enviar
os teus anjos
para uma noite feliz!

Como é bom!

José Manuel Brazão

Pensando nos meus Anjos no Céu e na Terra

sábado, 28 de novembro de 2009

Memória do Tempo




Recordo,
as primeiras palavras;
palavras vividas
e revividas,
com saudade
da tua mocidade!

Nasceu a amizade:
envolvida em mares,
nunca navegados,
envolvida em palavras,
palavras sentidas,
cobertas de emoção,
por vezes:
vestidas de paixão!

Recordo,
muitas palavras,
de amor,
amor ao próximo,
com autenticidade
e cumplicidade,
que guardo no tempo,
na memória do tempo …


José Manuel Brazão

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Mágoas



Choro minhas mágoas,
sem ressentimentos,
mas procurando nos sentimentos,
transformar o ódio em amor;
amar para ser amado,
compreender para ser compreendido
ouvir para ser ouvido,
respeitar para ser respeitado.

Choro minhas mágoas,
sem hesitações,
Para sorrir aos meus irmãos
e alegrar nossos corações.
Se der e não receber,
ficarei resignado.

O choro das minhas mágoas,
continuará perante Deus!

José Manuel Brazão

Esqueci!




Tua imagem
andava comigo
dia e noite
e nada nos parava
ou calava!

Um dia
surgiram dúvidas
se era paixão
ou amor?

No amor
Não podem existir dúvidas!

Paixão na vida
senti algumas!

Amor
por mulher
apenas
as que mereci,
dando
tudo de mim,
o corpo e a alma!

Dei mais do que recebi,
mas não importa;
enquanto viver
serei assim!

Com a mulher
que marcou o meu tempo,
com intensidade vivi
e no seu “acordar”,
reagi:
disse adeus
e esqueci!

José Manuel Brazão

Estás em mim!



Cada dia
o sol brilha
a Lua ilumina
tua imagem!

Estás em mim,
sempre!

Teus olhos
mostram tua alma
e dizem-me:
Somos os dois
apenas um!

Abraço-te,
olhamo-nos
e segredamos:
como precisamos
um do outro!

Estou em ti,
estás em mim!

José Manuel Brazão

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Não queres!




Não queres…
e a esperança
ficou ferida,
a mente abalada!

Meu coração
estremeceu,
fez-se escuridão
em mim!

Tanto amor,
que dei,
dou e darei
por ti
que não queres…

Um pouco da Vida
Estilhaçou,
mas apanharei
esses bocados
para misturar
as momentos bons
que a vida nos deu!

Não queres…
eu continuo a querer
e a amar-te!

José Manuel Brazão

Eu e os Outros



Serei sim, a flor que foi crescendo, florindo amor, compaixão, tolerância e conquistando a simpatia de quem me honrou assim!

Não serei uma rosa: amarela, branca ou vermelha, mas apenas e só uma flor que Deus criou para ser melhor do que fui ontem.

Uma flor que se apresenta à sua imagem e semelhança!

Eu sou assim e gosto muito dessa flor a que deram o nome de Zé!

José Manuel Brazão

Parece o fim!


O amor
que florescia,
com um Sol radioso,
parece agora
um inverno
em pleno Outono!

Palavras de amor,
lindas no papel
ou nos ouvidos,
quem as pratica?

Luto por isso
em vão?

Sinto meu coração
tão apertado,
que derramou
tanto amor,
agora angustiado,
magoado
de tanto sofrer,
por aquilo
que era Luz
e lentamente
se fez escuridão!

Amor
incompreendido,
não reconhecido,
porquê?

Nem eu sei
Porquê?

Por vingança
de seus sofrimentos,
mas não sou passado,
sou presente
a dar amor,
muito amor!

Então porque será?

Minha vida
de tristeza
parece o fim!

Este amor
Para lá caminha!

Alguns chorarão;
eu já choro!

José Manuel Brazão

Impossível não se render a emoção lendo as suas palavras!
Que cada dia que nasce,seja uma dádiva em seu destino!

Um beijo carinhoso
Tatiana

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A minha revolta




Como pudeste mulher sofrida, suportar a vida que não era vida?

Como te calaste e num viver de silêncio?

Sofreste a humilhação e a violação do teu querer e do teu corpo!

Humanos com este tipo de comportamento, aliás, animais sem
escrúpulos não merecem que se calem as vítimas, que sentirão
marcas, mágoas, que chagam o coração e lhes retirarão o encanto
do amor!

Na minha vida nunca soube o que era ódio, mas com casos deste tipo
a minha revolta abre o caminho para ele!

José Manuel Brazão

Olhando e Esqueci!



Olhando

Fico olhando
para a vida
e não sei
o que pensar,
o que dizer…

Vagueio os olhos,
por aí…

… sem destino,
sem vontade
dum sentir,
dum viver
e dum sorrir!

Serei merecedor
de tudo, mas tudo,
o que sofro?

Reflicto
e nesta hora,
não encontro resposta!

Amo
e procuro ser amado…

José Manuel Brazão

"Olhos a vagar
coração a suspirar
encontro dentro de si
olhando o amor a consumir
buscando-o para existir"

Deixei aqui meus versos inspirados
no teu belo poema reflexivo e excelente

Beijinhos no coração
Angela Lugo




Esqueci!

Tua imagem
andava comigo
dia e noite
e nada nos parava
ou calava!

Um dia
surgiram dúvidas
se era paixão
ou amor?

No amor
Não podem existir dúvidas!

Paixão na vida
senti algumas!

Amor
por mulher
apenas
as que mereci,
dando
tudo de mim,
o corpo e a alma!

Dei mais do que recebi,
mas não importa;
enquanto viver
serei assim!

Com a mulher
que marcou o meu tempo,
com intensidade vivi
e no seu “acordar”,
reagi:
disse adeus
e esqueci!

José Manuel Brazão

Lágrima




Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por seres generosa,
uma pedra preciosa
a decorar o meu coração!

Quando penso
e penso em ti,
vem o sonho duma paixão,
sonhada, mas por viver!

Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por ver
não estares ao pé de mim!

Apenas sonho
e vem a lágrima…

José Manuel Brazão

Hoje o dia está triste; eu também!
Reli este poema, olhei para a imagem e senti uma lágrima a correr pelo meu rosto... emoções nesta tarde outonal!

Histórias!!!


Na vida
existirão histórias,
sempre!

Uns
serão bons contadores
outros
péssimos actores!

Mesmo assim,
não deixarão
de ser histórias…

José Manuel Brazão

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Existe um poeta jovem...



Existe um homem idoso,
pelo caminho percorrido,
cansado pela luta.
Por vezes divertido,
outras pesaroso.
Esperançoso
pelo dia de amanhã,
enfrentava teimoso,
o que a vida parecia negar.
Solitário nesta viagem,
procurava amizades
e sentia saudades,
dos fieis amigos.
Procuram-se!
Existem poucos,
mas o suficiente,
para a minha teimosia:
a Esperança!
Existe um poeta jovem,
que aprendeu
e continua a aprender
a vida sentida
e não pensada!
Escreve as palavras
com o poder da verdade;
com a cultura da vida.
Escreve as palavras
de coração aberto,
sendo mensageiro do alento
e do alimento da Alma.
Se conseguir:
não existe o homem idoso.
Continua a existir o poeta jovem.

José Manuel Brazão

Meu Pai distante!




Viveste tão perto de mim,
mas foste um pai distante!

Desde a minha juventude,
Senti essa atitude!

Parecias esconder o Amor,
ou não saberias,
Quanto eu precisava de ti?

Eras um pai respeitado
e amado.

Eu existia,
mas vivia angustiado,
sem saber
se era um filho amado!

Partiste!

Onde te encontras,
espera por mim,
porque já aprendeste,
o que é:
um filho pouco amado
ou um pai distante!

José Manuel Brazão

Ficou sempre comigo que meu Pai - na minha visão - era distante próximo! Guardava para si o Amor pelos filhos!
Outros tempos, outros relacionamentos!


Olhos de mel!



Quando te encontro,
deparo com teus olhos,
admiro-os, já lhes chamo:
olhos de mel.

Tu és ternura,
doçura,
que me fascina
em ti: mulher!

És doce comigo,
irradias alegria,
simpatia.

Sinto a tua amizade,
banhada
pelas tuas lágrimas
de mulher solidária,

Limpo as lágrimas,
olhas para mim:
não esquecerei
esses olhos de mel…

José Manuel Brazão

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Mãe, preciso tanto de ti!




Há tanto tempo,
que te vi partir
e naquele momento
dissemos adeus
com um “até sempre”!

Há tanto tempo,
que a espera
do “até sempre”
tarda!

Aflita
para que nada aconteça!
Feliz
pelo bom que me apareça!

Há tanto tempo
e os anos passam;

Mãe,
preciso tanto de ti!

José Manuel Brazão

Eu e Vida



Vivi
o que tive de viver!


compreendo a vida,
olhando para trás!


posso viver a vida,
olhando para a frente!

O passado
não se apaga,
o futuro
vou recomeçar!

José Manuel Brazão

Sereia do amor



Vejo o mar,
contemplo o horizonte,
penso na natureza,
como é bela a criação
de tudo o que vemos,
sentimos,
damos
e recebemos!

Vejo o mar
contemplo o seu vai-vem,
sinto o seu cheiro
que Inspira o poeta!

Vejo o mar
e penso na minha poesia;
encontro nesse mar
o motivo para um poema,
que me leva àquela mulher,
que será
como sereia do mar,
uma sereia do amor!

José Manuel Brazão

Esse amor!




Como sofres,
por esse amor…!

Será justo
amar-se sem limites,
longe,
longe desse dia…

Um dia radioso,
como mereces,
ou um dia
para continuar a esperança,
de um amor por viver,
mas para ser ardente,
caloroso, vibrante,
de braços abertos,
sorrindo
como grande amante
do teu destino,
na busca desse amor!

José Manuel Brazão

Espero-te !



Todos os dias,
espero-te.

Passam as horas,
parecem-me longas!
Depois chegas,
dizes-me “olá”,
dás-me um beijo
de amor
e de saudade.

Sentas-te no chão
e pousas a cabeça
nas minhas pernas;
pedes-me mimos
e eu dou!

Sou homem de paixão
que olha para ti
e emociono-me
pela beleza que mimo;
acaricio o teu corpo,
ficas serena,
olhas para mim
e vejo os teus olhos
brilhantes, húmidos
e com lágrimas.

Que tens?
Sorris e dizes-me:
São lágrimas de amor
e de alegria!

Também preciso de ti
e espero-te…
José Manuel Brazão

domingo, 22 de novembro de 2009

Esqueço-me de mim!



Amo-te
como nunca amei.
Quando
penso ti,
perco-me no tempo
e esqueço-me de mim!

És tudo na minha vida,
sem ti,
fica um vazio,
a mente adormecida!

És o meu destino,
o meu anjo,
a sombra
que me acompanha
na vida
que eu quero de alegria,
libertando-me da tristeza.

Espero-te a qualquer tempo,
porque de ti não esqueço!

José Manuel Brazão

A Vida e o Amor



Nós,
que tantos poemas
escrevemos, contando
uma linda história,
de paixão e amor,
de encantamento,
por aquilo
que nossos corações
brotavam de emoções,
sentimentos fortes,
arrebatadores
que nós
de amor carecíamos,
como o Sol de cada dia!

Momentos inesquecíveis
dessas emoções,
que reflectimos em Poesia,
que agitaram corações
em cada um
que nos leram,
nos acarinharam
e deixaram
em nós
Poetas do Amor,
um vazio,
um silêncio,
uma saudade,
mas estas duas Almas
o tempo não apagará!

José Manuel Brazão

sábado, 21 de novembro de 2009

O Amor é assim...



Seguia o meu caminho,
sem destino,
mas pensando
na Luz que me guiasse!

Enquanto não apareceu
fui andando,
andando…

Parava
e olhava
e pensava
no caminho
percorrido na Vida,
nesta Vida!

Surgiu grande “pedra”
em forma de Mulher!

Fez-me parar!
Parecia
não me deixar,
nem me afastar
ou continuar!

Que desejaria ela?

Que queres “pedra”?
Porque me barras o caminho,
que desejo seguir!

Amor:
este é o encontro
do desencontro!
O Amor é assim…

Lembrou-me
o passado
que eu conhecia
e que ela viveu!

Fiquei junto dela,
recordando
o que a Vida nos dá
e que distraídos,
não compreendemos,
não agarramos,
não fortalecemos!

Mas o amor é assim…
Cega-nos
e só voltamos a ver
com a tal Luz,
quando se dá:
o encontro
do desencontro!

José Manuel Brazão

Folha do pensamento




Na tua mão
uma folha de árvore;
sentas-te à sua sombra.
Acaricias a folha,
fixas o teu olhar,
corres a vida:
sorris, choras.
Com coisas belas
e sonhos perdidos
nessa corrida pela vida.
Olhas para diante
e vês a sombra de alguém,
mas quem?
Daquele
que segue o teu caminho,
que te avisa e aconselha,
daquele
que não te quer sem destino:
onde estou, para onde vou…
A estrada em que estamos,
leva-te à que procuramos:
a estrada da Vida …
Sorris para mim,
beijas a folha e partes …

José Manuel Brazão

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Confessa!




Nasceu este amor
como gratidão ao Sol!

Iluminou
nossas almas
que andavam desavindas.

Cresce este amor,
entre lágrimas
e sorrisos.
Dei-me todo
a esta paixão,
que não pára
neste palpitante coração!

Choras,
porque o desejas,
mas …
Vestes o silêncio
e amas …

Guardas para ti
este amor,
esta loucura,
esta paixão!

José Manuel Brazão

Esperando por mim!



És a mulher
que me compreende,
tolera, serena
e pacifica minha alma!

No teu canto do silêncio,
preocupas-te comigo,
confortando
os meus anseios,
os meus desejos
de amar
de te amar,
mas por vezes perdidos
e agora reencontrados!

És a mulher
que me perdoas,
o desencontro com a vida,
seduzido por paixões
umas vezes levianas,
de puro prazer
e nada mais!

És a mulher
enfim;
que me deseja
no teu canto do silêncio,
vagueando pelo passado,
tão recente,
que eu ia perdendo,
se não fosses um anjo,
o anjo que um dia
me apareceu
em nome da Paz
E ficou pacientemente
Esperando por mim!

De braços alongados,
envolveste meu corpo
e disseste:

Sou eu
o amor da tua vida,
confiante
e esperando por ti!

José Manuel Brazão

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Compreendo...



Pelas minhas posições perante a Vida poucas pessoas me compreendem.
É um grupo muito restrito.

Pessoas que convivem comigo há muitos anos, mas tenho um caminho a percorrer. Uma missão a cumprir.

No meu cantinho faço constantes auto-reflexões para tentar melhorar os pontos fracos (corrigir os meus erros). Tarefa difícil, mas convém persistir!

Naquilo que estamos bem na vida, aí ganhar forças para prosseguir!

Neste aspecto de “estar bem com a vida” tenho muita gente a rodear-me; em cada dia conquisto pessoas que com o tempo se tornam meus amigos!

A esses vivo no meu silêncio as suas alegrias e as tristezas. Como se fossem minhas!

Esses amigos sentem que eu os compreendo e confortam-se por serem compreendidos.

Está em mim a facilidade da compreensão como se as conhecesse há muito tempo.
Algumas só as conheço através da Net, mas nasce uma “magia” como se nos conhecêssemos há muito tempo! Imagino-as!

Nasci e quero terminar o meu caminho com a maior evolução possível em que prevaleça o amor, tolerância e compreensão! Compreendo…

José Manuel Brazão

Momento certo!



Existem
momentos na Vida!

Inesquecíveis
tanto os bons
como os maus!

Mas existem
momentos certos
que preparamos,
e outros
que nos escapam!

Não passei
por momento certo,
mas poderá chegar…
Porquê,
como e quando,
não sei,
ainda não sei…!

José Manuel Brazão

Pensamentos de Mahatma Gandhi


Clicar em: Pensamentos de Mahatma Gandhi

Honra-me ter neste Blog uma personalidade que sempre admirei e cujos ensinamentos tento aprender para saber estar na Vida!

José Manuel Brazão

Não te vejo, não te ouço!


Não te vejo
nas palavras
e nos sorrisos!

Vestiste o silêncio,
partiste o coração
e o amor
por onde anda?

Não te ouço
a voz do coração;
mas existe o amor?

luto,
por seres o ontem,
que o hoje esqueci
e o amanhã será:
já te vejo
e já te ouço…!

José Manuel Brazão

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Chuva e lágrimas



Ouço chuva,
muita chuva!
Vou até à janela
e vejo:
Salpicos de água,
que parecem lágrimas
escorrendo pela minha face.
Olho o horizonte
que meus olhos alcançam:
tudo me parece tristeza;
ninguém na rua.
Vêm ao meu pensamento,
os que não têm casa
e que andam por aí …
A mãe natureza,
enviou chuva,
para lavarem:
as suas mágoas,
as suas angústias,
as suas esperanças vãs.
Parou a chuva,
mas pela minha face,
vão escorrendo lágrimas …

José Manuel Brazão

Amores (Mulheres) da minha Poesia!



Existem amores
da minha poesia!

Mulheres!

Tão simples
escrever sobre a vida,
como grandioso
o carinho
destas mulheres;
“princesas”,
Guerreiras,
sensíveis,
talentosas,
Autênticas.

Não esquecem
a minha existência,
que me confortam,
por valer a pena
a minha persistência,
com sentimentos coerentes,
para estes amores ardentes!

José Manuel Brazão

Aquele que foi o amor da minha vida anda por aí... o nosso reencontro será no Além!

NOTA: Este poema é o sinal de todos os outros poemas em que defendo a dignidade da mulher e não da fêmea!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Só com amor assim!


Um amor com convicção,
vivendo com intensidade,
na procura da felicidade,
tem no coração,
o gesto e a atitude
que as nossas mentes
julgam ser a plenitude!

Somos um amor,
sem limites,
vozes ou barreiras,
que impeçam
os momentos para viver,
que esqueçam
nossos passados vividos,
tristes e sofridos!

Lutaremos
e viveremos
Como
um só corpo e alma;
de mãos dadas.

Avançaremos
e venceremos,
apenas e
só com um amor assim…!

José Manuel Brazão

José Manuel Brazão
Comentário de Ana Coelho:
Apenas só com o amor tudo se vence...de mãos dadas na busca da felicidade.
Beijos

Eu respondi:
Grande parte dos meus poemas são criados para os nossos leitores, mas apenas para se reverem neles! Não me inspiro em alguém especial!

Muitos Colegas e leitores pensam que estou a ver essa "mulher"!

Fiz de facto uma colectânea de poemas de amor, especialmente para o Blog "Nós e a poesia de amor" em que de facto havia uma mulher, mas o objectivo era romancear o Blog. E isso foi atingido! Um Bloc original com uma história romanceada em poemas pr dois escritores: uma mulher e um homem!

Beijos com carinho

Amor ponde andas...?



Passeio
e sento-me à beira do mar.
Vejo meu corpo
reflectido na água;
um corpo só!

Vagueio
meus pensamentos,
por tanta gente
que conheço,
que eu amo!

Medito
porque vejo meu corpo
reflectido na água;
um corpo só!

Tu:
amor, por onde andas…?

José Manuel Brazão

O nó!




Existia um nó,
muito apertado,
que enlaçava a vida,
a minha vida!

Desfeito o nó,
respiro a vida
com outro fôlego,
com outro olhar,
sorriso aberto,
coração renovado!

Com nó
ou sem nó,
mantive princípios,
sentimentos
e o amor,
amor intocável!

Existem nós
que asfixiam,
mas não matam!

José Manuel Brazão

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Gratidão




Gratidão

Não é frase feita,
mas sentida,
por quem sabe
o que é o amor,
o carinho, a compaixão,
a solidariedade, a dor,
a tristeza.

Tudo isto
como coisas da Vida,
que nos contempla
ou nos entristece.

Nestas horas,
existem Amigos
e aparece a gratidão,
como uma virtude,
como uma atitude
que faz :
de amigos sempre,
a frase perfeita!

José Manuel Brazão

Amigos sempre!

Amigos,

já não passo
sem vós!

Cada dia
quando acordo,
sorriu
porque vivo
e por ter amigos.

Grande família
Conquistada
- entre Amigos -
que me rodeia,
me conforta;
que me serena,
me dá forças,
acalenta
e me dá amor,
com seus gestos
e seus carinhos!

Que posso pedir mais?

Que Deus
me deixe continuar
o meu caminho,
sempre na companhia
do amor
e das amizades…

José Manuel Brazão

Momentos de Paixão




Desde muito jovens que todos temos paixões!
Muitas vezes intensas e noutras ocasiões vivendo em sonhos.

Intensas, porque achamos que aquela pessoa é a mulher ou o homem ideal para a nossa vida!

Porém, a vida não é tão fácil nessa matéria. Exige racionalismo!

A paixão é momento porque passamos para se concluir: ou é efémera ou terá “casamento” com o amor.

Por outro lado e entrando na realidade em que vivemos – salvo as excepções – quem tem ao se lado o homem ou a mulher ideais?

A natureza da vida muitas vezes põe-nos à prova com um(a) companheiro (a) distinto (a) de nós!

Aí na convivência do dia-a-dia ou se constrói ou se ofusca aquilo que se ambicionava.

Citando palavras da nossa colega Fáti - Fátima Theobald ,que encontrei algures: “um convite para o amor: Aquele que talvez possa durar para sempre, ou aquele que diz: seja eterno enquanto dure...”

Porventura a minha Colega e Amiga Fáti foi beber ao “Soneto da fidelidade” de Vinicius de Moraes ( um dos poemas belos de Vinicius).

E assim é: a vida de um homem e de uma mulher tende a ser uma incógnita!


José Manuel Brazão

Comentou Angela Lugo:
querido amigo poeta

Bom...Penso que sempre será uma
incógnita, assim como o destino
ou o momento seguinte que ainda
está encoberto pelo véu e é somente
vivendo-o que se é descoberto...
Gostei do texto bem profundo

Beijinhos no coração


Eu respondi:

Embora a paixão seja um sentimento respeitável entendo que é efémero com deslumbramento, admiração "mexer connosco", mas esgota-se. Tenho experiência disso em causa própria!

O amor é diferente - embora seja eterno, enquanto dure (Vinicius) - porque tem outras convicções. Uma paixão pode ser só de um e o amor tem de ser vivido e convivido pelos dois; só assim é Amor!

Beijos com carinho

domingo, 15 de novembro de 2009

Sensibilidade



Nem todas as pessoas manifestam a sensibilidade tão objectivamente quanto se espera. Só aquelas que encontram ou descobrem em si, a criatividade artística, põem ao serviço do que escrevem, do que pintam, etc... esse potencial, esse dom.

Por essa razão, vivem um pouco solitárias, à espera da inspiração sensata e verdadeira, que transmitem por palavras, com o único objectivo de divulgarem ideias, alertas e muitas vezes denunciarem o caos, as assimetrias, as desigualdades, os direitos humanos, mas também divulgarem, a paz, a harmonia e o amor.

Os que escrevemos, somos pessoas vulgares, mas com a sensibilidade muito afinada, o que leva muitos dos que nos conhecem ou nos rodeiam, a não compreenderem a nossa forma de estar na vida . Pela minha parte, sou ajudado nessa matéria por duas amigas: uma de longa data e outra que conheci através do Cantinho da Poesia e passámos a ter uma lindíssima amizade, cheia de emoções e de mútua compreensão Para se escrever é necessário viver bem com os nossos sentimentos. Ela já conhece tudo o que escrevi e, portanto, conhece bem o que sou e, porque sou.

Procuro transmitir aos leitores tudo aquilo que não vivo em plenitude, mas que gostaria de ser um bom mensageiro para os outros.

A minha amiga escreve lindamente, sobretudo, com refinada inteligência, efeito próprio da sua forte sensibilidade.

Já vivi muitos anos nesta minha passagem pela vida, mas não me canso de melhorar o produto final do meu trabalho .

Escrever, é uma forma de generosidade e, sobre esse aspecto dar-me-ei todo, enquanto as faculdades mentais mo permitirem.

José Manuel Brazão

Amor...só Amor!


Sem ti,
dilacera meu coração,
sinto-me só,
sem forças para reagir
e procuro-te!

Ansioso
nessa espera,
porque sem ti,
fico sem jeito!

Aflita,
sabes
que estou assim;
chegas,
abraçamos,
com ternura,
encanto
que este amor
vive:
amor… só amor!

José Manuel Brazão

Saudade do teu olhar!



O teu olhar
levou-me à paixão.
depois ao amor!

É um amor sem limites,
sem hesitação,
bebendo as tuas palavras,
a tua dedicação,
o teu amor em silêncio,
por vezes escondido,
outras vezes assumido!

Ninguém roubará
este amor que corre,
que se alimenta em nós!

Já não chega
a saudade do teu olhar;

O meu amor
pede
o teu corpo,
a tua alma!

José Manuel Brazão

sábado, 14 de novembro de 2009

És o meu Sol!



Começo o dia
admirando a tua luz!

Vibro com a tua imagem,
que me ilumina e conforta,
para viver mais um dia
do resto da minha vida!

Aproximas-te,
sinto o teu calor
percorrer meu corpo!
Uma sensação agradável,
perturbante
e naquele instante
já não sei
se és o Sol,
se o meu amor!

José Manuel Brazão

Dignidade da Mulher



Sou contra os dias internacionais de qualquer coisa!

Entendo que essa tentativa de “homenagear” a criança, a mulher, a paz e outras coisas mais, é um atentado à dignidade de cada pessoa envolvida e um “vendaval” de hipocrisia!

Não concebo, existirem dias diferentes para se transmitir solidariedade, amor, presença, carinho e uma coluna enorme de gestos e atitudes!

Eu não pactuo com esta discriminação, que se transforma nos dias seguintes em segregação!

Em Poesia eu tenho escrito muito sobre a mulher, procurando no meu estilo prestigiá-la e dignificá-la!

E é isso que farei hoje. Não me alheando da Poesia será mais um dia – como tantos outros - que escreverei sobre a Mulher como a Natureza a enviou a este Mundo!

Encanto, muito encanto …

Encanto,
muito encanto!

Quando vejo
o teu sorriso,
sorriso radioso,
vem vestido de branco.

Olhas-me
e sorris
generosa comigo,
como se há muito
fosse teu amigo!

Encanto,
muito encanto!

Já penso,
que ficará saudade,
quando partirmos,
seguindo nossos caminhos.

Ficará a amizade
a ternura, com:
encanto,
muito encanto…

José Manuel Brazão

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Alegria volta para mim!




A alegria
minha companheira
de tantos anos,
de repente
zangou-se comigo!

Não sei
o que lhe deu,
nem tão pouco
o que lhe fiz!

Não a estimei?
Talvez!

Cansei
de disfarçar,
muitos obstáculos,
ultrapassei!

O disfarce
desgastou-me
e as forças
foram gastas
e não recuperadas!

Não é tarde!

Saberei
procurá-la,
acarinhá-la
e trazê-la
de novo para mim!

Afinal,
quem estava zangado?

Eu…!

José Manuel Brazão